Municípios respondem a fragilização do país com mais de 2 000 medidas

Municípios respondem a fragilização do país com mais de 2000 medidas

O Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis (OAFR) registou até ao momento mais de 2114 medidas, na plataforma que criou especificamente para acolher as medidas excecionais de apoio às famílias implementadas pelos municípios portugueses.

Desde março de 2020, com a pandemia da COVID-19 a agravar a situação social de muitas famílias, os municípios portugueses têm estado na linha da frente nas respostas de proximidade.

As medidas lançadas pelas autarquias portuguesas são de cariz eminentemente social, tais como: entrega de refeições, cheques sociais e farmácia, redução do valor das creches, dispensa ou redução substancial de pagamento de serviços municipais (incluindo água e taxas municipais), redução de valor cobrado pelas CERCI’s, aquisição e entrega (pelos municípios) de bens alimentares de primeira necessidade, reforço das equipas de ação social junto das famílias, apoio a idosos, bolsas de voluntariado para acompanhamento de casos de risco, entre outras.

Para Isabel Santos, coordenadora do OAFR, “há um efetivo aprofundamento das ajudas a situações de risco, fragilidade e extrema carência por parte do poder local, que com as suas medidas de proximidade respondem à fragilização das famílias a todos os níveis, num contexto global que a pandemia da COVID-19 tem atingido em Portugal e no mundo”.

Na plataforma do OAFR, numa primeira fase entre abril e junho de 2020, foram reportadas 1.962 medidas de 168 autarquias.

Nesta segunda fase, com novo ímpeto no início de janeiro de 2021, foram introduzidas 176 novas medidas, implementadas por 52 autarquias.

A plataforma específica do OAFR, para a introdução das medidas excecionais de apoio à família pelas autarquias portuguesas, vai ficar aberta para atualização constante dos municípios.

O Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis, é uma iniciativa da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, que  conta com o apoio mecenático da Fundação Millennium bcp e tem como principais objetivos acompanhar, galardoar e divulgar as melhores práticas das autarquias portuguesas em matéria de responsabilidade familiar para as famílias em geral.

Para mais informações consulte o site do Observatório.

Observatório de Autarquias Familiarmente Responsáveis

O Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis (OAFR) afere dados fornecidos pelos municípios, respeitantes ao ano transato (a 12ª edição do OAFR avalia os dados de 2019).

Entre as medidas valorizadas no OAFR estão os apoios ao nascimento (incluindo alimentação dos bebés e fraldas), pagamento de creches e jardim-de-infância, comparticipação de consultas de oftalmologia e apoio à aquisição de óculos, bancos de medicamentos e comparticipação de medicamentos, oferta de vacinação fora do Plano Nacional de Vacinação, cantinas sociais e cantinas escolares abertas durante os períodos de pausas escolares, e transportes escolares gratuitos até ao 12º ano.

O inquérito do Observatório avalia iniciativas dos municípios em 10 áreas, entre as quais o apoio prestado à maternidade e paternidade, o apoio às famílias com necessidades especiais, medidas de conciliação entre trabalho e família, serviços básicos, educação, habitação, transportes, saúde, cultura, desporto e tempo livre e participação social.

Fundação Millennium bcp

A Fundação Millennium bcp assume-se como agente de criação de valor na sociedade, nas diversas áreas da sua intervenção, assumindo um claro compromisso de apoio ao desenvolvimento das comunidades em que se insere.

Nesse sentido, procura apoiar várias iniciativas que alinhem com os valores do Millennium bcp e simultaneamente satisfaçam algumas das principais necessidades identificadas nestas três áreas de atuação – Cultura, Conhecimento e Solidariedade Social – em Portugal e noutros países onde o Millennium bcp desenvolve a sua atividade.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Autarquias e Poder Local, Economia com as tags , , . ligação permanente.