Vila Velha de Ródão, venha conhecer

Vamos iniciar percursos na Beira Baixa que valem a pena conhecer. Trata-se de uma acção do Jornal de Oleiros visando a promoção e desenvolvimento da região.

Começamos com Vila Velha de Ródão.

Vila Velha do Ródão (Portugal)No último domingo, 18 de Março, fomos conhecer Vila Velha de Ródão, uma vila situado numa zona de transição entre o norte e o sul de Portugal. Com pouco mais de 3 mil habitantes (dados em actualização), Vila Velha de Ródão tem sua paisagem moldada pelas curvas do Rio Tejo e pelas Portas de Ródão, uma das mais imponentes formações geológicas da região.

Vila Velha de Ródão (Portugal)

De Lisboa a Vila Velha de Ródão

O ponto de encontro do grupo foi na Estação Oriente.

Com os bilhetes na mãos, tomamos o comboio das 8h23 em direção a Vila Velha de Ródão. A viagem dura cerca de 2h40 e é super tranquila. Pouco antes de chegar ao destino, a linha do trem já começa a acompanhar o Rio Tejo e é possível apreciar a bela paisagem ribeirinha.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

O que fazer em Vila Velha de Ródão?

. Peça apoio à Equipa da Câmara.

A equipe da Caminhos Nocturnos trabalha em parceria com a Câmara Municipal. Por isto, ao chegarmos na estação de trem fomos recepcionados pela Ana SilvaTécnica de Turismo da Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão.

 

Ela estava lá para nos dar as boas-vindas e para explicar um pouco sobre o que a região tem para oferecer aos turistas. Ela também falou um pouco sobre os danos causados na vegetação pelas queimadas do último ano e sobre o impacto da instalação de algumas empresas na cidade.

Trilhos e Percursos Pedestres

A primeira atividade do domingo foi conhecer um dos trilhos da região. Sim, há várias a serem exploradas e, acredito, cada uma com sua beleza peculiar. Nós fizemos o Caminho da Telhada,  um dos percursos da rede do Concelho de Vila velha de Ródão, designada por “Terras de Oiro”. O início do trilho é em vila de Perais, há poucos kms de Vila Velha de Ródão.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Caminho da Telhada é um percurso circular de aproximadamente 6km relativamente fácil, principalmente para quem está habituado a caminhadas como nós. Mas há um trecho com uma longa subida que pode ser um pouco mais complicado para quem não costuma caminhar muito.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Há também algumas informações relativas à história da região ou ao que existira próximo ao rio, como por exemplo, a existência de dois embarcadouros e uma casa circular de barqueiro.

Vila Velha do Ródao (Portugal)

No meio do caminho deparamos com o Rio Tejo, num dos locais onde suas águas ainda são limpas. A caminhada durou cerca de 2horas e rendeu belíssimas paisagens.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Cais Fluvial de Vila Velha de Ródão

De volta a Vila Velha de Ródão, fomos conhecer o cais fluvial e comer alguma coisa. Além do parque com mesas para quem gosta de fazer piquenique, há um restaurante com uma vista privilegiada do rio. É dali, deste cais que partem os barcos que fazem o passeio até as Portas de Ródão, a mais famosa atração da cidade.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Uma curiosidade, é exatamente ali, no meio do Rio, que ocorre a divisão entre as regiões portuguesas de Castelo Branco e Portalegre.

Portas de Ródão

Lanche rápido e lá fomos nós para o ponto alto do passeio, o Castelo de Vila Velha de Ródão. Mas antes de chegar ao Castelo, fizemos uma paragem estratégica para ver mais de perto as Portas de Ródão.

Vila Velha do Ródão (Portugal)As Portas de Ródão são uma formação geológica situada às margens do Tejo, resultante da intersecção do duro relevo quartzítico da Serra das Talhadas com o curso do Rio Tejo. Por outras palavras, são duas formações rochosas enormes que atingem cerca de 170m de altura e provocam um estreitamento do curso do rio. Este estreitamento lembra duas “portas”, uma a norte no distrito de Castelo Branco e outra a sul no concelho de Nisa.

Castelo de Ródão ou do Rei Vamba e Capela de N. Sra. do Castelo

Mais alguns minutos de autocarro e lá estávamos nós de frente para o Castelo de Ródão e para a capela de Nossa Senhora do Castelo. As duas construções estão distantes cerca de 150m. Embora a capela esteja fechada à visitação, ela completa perfeitamente o visual do local.

Vila Velha do Ródao (Portugal)

Caminhando um pouco mais  deparamos com o Castelo. Na verdade, ele não tem grandes atrativos arquitetónicos, constituindo-se basicamente de uma torre-atalaia.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Vila Velha do Ródão (Portugal)

O grande detalhe é que estas duas construções, a torre e a capela, foram erguidas no alto da Serra do Perdigão, também conhecida como Serra das Talhadas. Para ser mais precisa, no topo do morro norte das Portas de Ródão, numa altitude de aproximadamente 300m.

Não precisa nem falar que lá de cima você tem uma vista panorâmica belíssima de toda a região, não é mesmo? Algo de tirar o fôlego!

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Mais uma vez a Ana teve um papel fundamental e explicou em detalhes a história do Castelo e as lendas criadas em torno dele.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Igreja Matriz e Monumento em Homenagem a Miguel Cargaleiro

Do castelo seguimos para conhecer um pouco do centro da vila. Em frente à igreja matriz há uma pequena praça com um monumento em homenagem ao filho ilustre da cidade, o pintor e ceramista Miguel Cargaleiro.

Vila Velha do Ródao (Portugal)

E adivinha? Ninguém resistiu aos pés de laranja da praça! Todos se renderam às laranjas maduras e docinhas de Vila Velha de Ródão.

Vila Velha do Ródao (Portugal)

6. Centro de Interpretação de Arte Rupestre e Sala de Arqueologia

Depois das laranjas fomos visitar o Centro de Interpretação de Arte Rupestre do Tejo. A Ana, mais uma vez, falou sobre a riqueza geológica que renasceu em torno do rio e que comprova que a Região de Ródão foi habitada desde a mais remota Pré-história.

No Centro de Interpretação visitamos a exposição e mostra permanente da Arte Rupestre do Vale do Tejo, onde é possível tocar em pedaços de xisto extraídos das diversos núcleos da arte rupestre do Tejo, como o Fratel, o Cachão do Algarve e o Gardete.

Segundo a Ana foram encontradas mais de 40 mil gravuras rupestres ao longo do Tejo.

Vila Velha do Ródao (Portugal)

Casa de Artes e Cultura do Tejo

Antes de seguir para nossa última atividade do dia, fizemos uma breve visita à Casa de Artes e Cultura do Tejo para visitar a exposição “A Essência da Cor” – Obra Gravada e Cerâmica, da autoria do mestre Manuel Cargaleiro.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Lagar das Varas

Nossa última atividade em Vila Velha de Ródão foi a visita ao Lagar de Varas. Construído provavelmente no Século XIX, às margens da Ribeira do Enxarrique, o lagar foi curiosamente adquirido pela Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão às escuras.

Isto mesmo, segundo explicou a Ana, a construção estava abandonada há mais de 50 anos e não se sabia exatamente o que havia lá dentro. Só depois de limpar a área – que estava completamente tomada pelo mato – é que foi possível descobrir o que existia lá.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

O lagar, uma construção em xisto e quartzito, abriga, atualmente, um espaço museológico. Lá pudemos conhecer um pouco da história da evolução da produção de um dos produtos mais importantes da região, o Azeite de Oliva.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Vila Velha do Ródão (Portugal)

O azeite de Oliva  produzido na região de Vila Velha de Ródão é de excelente qualidade e apresenta um grau de acidez de 0.2

Degustação de Azeite de Oliva

E para fechar com chave de ouro a nossa visita não poderíamos deixar de provar o azeite produzido em Vila Velha de Ródão.

Então lá fomos nós para o posto de informações turísticas degustar três tipos de azeite: um normal, outro biológico e o outro com Alecrim.

Vila Velha do Ródão (Portugal)

Vila Velha do Ródão (Portugal)

E não é que eu aprendi uma nova forma de degustar azeite. “pegue um pedacinho de pão (ou torrada), umedeça com azeite de alecrim e coloque um pouquinho de mel por cima, fica muto bom!

Já era noite quando retornamos à estação. Embarcámos no comboio das 19h45 e às 22h10 desembarcamos na estação Oriente em Lisboa. O domingo foi bem cansativo mas também bastante divertido. E, claro, a passagem rápida por Vila Velha de Ródão deixou gostinho de quero mais.

  • Agradecemos aos autores da viagem e reportagem que publicamos, nas partes mais significativas. Evidentemente, hoje vão nascendo outras pontos de interesse, por exemplo, para comer existe hoje a notável Adega 23.
  • Em breve estará também certificado o Caminho de Santiago.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Vila Velha de Ródão com as tags . ligação permanente.