Escola da Pandemia

Escola da pandemia

. Fátima Fernandes Morais
Diretora do Agrupamento de Escolas do Algueirão

O ano de 2020 tem sido um desafio para a saúde pública em todo o mundo.
Entretanto, os efeitos da pandemia do Coronavírus têm trazido uma série de
desafios para todas as demais áreas da sociedade, principalmente para a
educação.
Desde o mês de março, as instituições de ensino, juntamente com os poderes
públicos, têm discutido, pensado e repensado maneiras de dar sequência ao
aprendizado. E apesar das decisões serem tomadas de forma conjunta, são os
diretores das escolas que precisam lidar diretamente e diariamente com as
mudanças constantes de cenário.
Chegados ao fim do 1ºperiodo, e analisando todo o percurso que foi feito pela
escola, desde março até ao presente, não posso deixar passar o momento sem
tecer algumas considerações relativamente a todos os elementos que
constituem uma Comunidade Escolar.
A classe docente ao longo de cerca de duas décadas até ao presente, não tem
sido tratada com respeito, nem lhe tem sido reconhecida a importância do seu
contributo na formação dos jovens que terão no futuro responsabilidades
políticas, sociais, económicas entre outras. Razões suficientes, per se, para ser
reconhecida e considerada.
Não foi nunca, ab initio, intenção da classe ocupar lugar de pódios, promover
ruídos de aplausos ou conquistar legiões de servos num feudalismo de classe.
Porém, reclamamos o que eticamente sempre nos devia ter sido reconhecido.
O respeito de uma classe detentora de uma formação e massa intelectual
elevadas e que tem vindo a dignificar e educação deste pais.
independentemente dos ataques que têm surgido das mais variadas vertentes
da sociedade, descredibilizando-a, in toto , e fragilizando-a tornando-a
impotente face aos impactos de total falta de respeito na Comunidade Educativa
onde se insere para a qual trabalha, mas que em nada é reconhecida no seu
valor, ainda assim, não vacila e plasma-se o se comportamento no dia a dia de
trabalho com os seus alunos e demais elementos da Comunidade.
Agora, como que por milagre, ou por efeitos da pandemia do Coronavírus,
percebeu-se que afinal os professores ocupam um lugar imprescindível na
dinâmica social de um país.
Mas não ficamos por aqui. É esta classe envelhecida e de risco, que face a todas
as vicissitudes atinentes à questão pandémica que vivemos, que continua com
toda a dignidade intelectual que sempre lhe foi característica, porém nada
reconhecida, que mantêm a escola, que acolhe os alunos, as famílias,
implementa as novas tecnologias procurando não deixar nenhum aluno à parte
do processo, surjam lá as entropias que surgirem.
É esta a Escola que procura assentar as aprendizagens na aquisição de
competências procurando que a formação do aluno assente numa crescente
formação de complexidade cognitiva.
É este a Escola que procura centrar a educação no aluno, tornando-o no centro
das aprendizagens.
É esta a Escola que procura promover um trabalho colaborativo, de
comunicação e trabalhando cada vez mais, e melhor a autonomia, capacitando
o individuo, para a aquisição de melhores patamares de proficiência,
aumentando a competência autodiretiva.
São também este professores que em cargos de direção, apesar de serem
solicitados diariamente, com mais de 90% para questões de COVID-19, entre o
preenchimento diário de plataformas, envio de grelhas, matrizes, plantas
comunicações aos encarregados de educação e ainda comunicações constantes
aos pais que, “a bico de alfinete” encontram defeitos, reclamam direitos, e até
dão orientações sobre os mais variados temas organizativos, como quem
reclama tirar um jogador e colocar outro em campo, conseguem ainda, gerir
questões pedagógicas, financeiras, organizativas, administrativas entre outras.
Mas não fica por aqui a tarefa hercúlea da Escola da Pandemia. Uma vénia muito especial deve ser feita aqueles que também sendo de grupos de risco, ou por
comorbidades ou pela sua já avançada idade, ali estão firmes ao lado da direção
num trabalho tão uníssono quanto profissional. Os Assistentes Operacionais e
os Assistentes Técnicos.
É a Escola de hoje, é a Escola da Pandemia, reinventada, reajustada mas
dignificada pela massa intelectual que nunca desistiu do deu valor, da sua
função, da sua missão. A classe docente na Educação!

  • Fátima Fernandes Morais, Amiga de sempre do Jornal de Oleiros é também Presidente da Comissão de Melhoramentos da Gaspalha (Álvaro-Oleiros).

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Educação, Oleiros com as tags , . ligação permanente.