EDITORIAL: O 25 de Abril e o Covid-19

Publicidade

EDITORIAL

Na semana que culmina com a data histórica da libertação de um povo, desejamos assinalar a data que honramos e festejamos com solenidade.

É ao 25 de Abril que agradecemos ser livres, inclusive para combater a data como despoduradamente fazem a direita e a extrema –  direita que se sentem confortáveis para tais atitudes.

Bastaria ter em conta o que significa a junção do PS, de parte do PSD (com significado), do PCP, do BE, do PAN, Verdes e outros,  para ser clara esmagadora maioria dos apoiantes da data, versus os muito poucos mas ruidosos representantes do CDS, Iniciativa Liberal e Chega que em conjunto não chegam a representar 15% da população.

Isto a propósito das Petições em curso alimentadas nas redes sociais, nas quais os primeiros são minoritários, pois o povo muito ainda info-excluído não acede a estas redes, tão pouco frequenta militantemente a internet.

Ver uma figura como Manuel Alegre embarcar numa competição como esta é confrangedor, pois, deveria saber que se expõe a uma pesada derrota além de alimentar divisões.

Uma palavra negativa ainda para o Presidente da Assembleia da República que dia-a-dia é uma figura menos consensual pela agressividade que utiliza nas suas intervenções, dividindo inclusive o seu próprio Partido.

Ferro Rodrigues tem vindo a distanciar-se das boas práticas em Democracia, parecendo em muitos momentos considerar que o facto de ser segunda figura na hierarquia, não o deveria obrigar a ser mais, muito mais, moderado, pugnando pela abrangência nas posições que toma.

A celebração do 25 de Abril na Assembleia é um acto adequado, tanto mais que a Assembleia não reabre para o efeito.

Pelo contrário.

Nunca este fechada.

Porque fecharia agora?

A polémica do número de pessoas já muito reduzidas na cerimónia (actualmente 130) poderia ainda ser reduzida, ou deveria, e isso, acredito ainda vai acontecer.

Seja como for, a Cerimónia deve ali ser realizada, com a contenção adequada, sem que esteja aberto a novas formas de celebração que podem e devem ser reinventadas.

Paulino B. Fernandes

Director

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Editorial, Nacional, Opinião, Política com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *