Lucília Gago é a nova PGR

Vai haver nova PGR: a escolhida é Lucília Gago

. Toma posse dia 12 de Outubro.

A actual procuradora-geral-adjunta da República, Lucília Gago, de 62 anos, é a escolha do Governo, subscrita pelo presidente da República, para suceder a Joana Marques Vidal.

A notícia da escolha do novo nome para a Procuradoria Geral da República (PGR) foi divulgada, esta quinta-feira à noite, no site da Presidência da República, com uma nota de Marcelo Rebelo de Sousa, revelando que terá efeitos a partir de 12 de Outubro de 2018.

O presidente aponta duas razões para a decisão de acolher a substituição da actual procuradora, cujo nome lhe foi proposto pelo primeiro-ministro António Costa.

Por um lado, Marcelo lembra que “sempre defendeu a limitação de mandatos, em homenagem à vitalidade da Democracia, à afirmação da credibilidade das Instituições e à renovação de pessoas e estilos, ao serviço dos mesmos valores e princípios”.

Em segundo lugar, o presidente diz que “considera que a Senhora Dra. Lucília Gago garante, pela sua pertença ao Ministério Público, pela sua carreira e pela sua actual integração na Procuradoria-Geral da República – isto é, no centro da magistratura – a continuidade da linha de salvaguarda do Estado de Direito Democrático, do combate à corrupção e da defesa da Justiça igual para todos, sem condescendências ou favoritismos para com ninguém, tão dedicada e inteligentemente prosseguida pela Senhora Dra. Joana Marques Vidal”.

Lucílio Gago foi Directora do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa entre 2016 e 2017, e está desde essa data a exercer funções na PGR onde criou e desenvolveu um gabinete de âmbito nacional de coordenação dos magistrados do MP na área da família, da criança e dos jovens. Actualmente coordena este gabinete.

A área das crianças e dos jovens é há muitos anos acompanhada por si e está desde 2009 na Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em risco.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Justiça com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *