O futuro do seu automóvel é já hoje

O futuro do seu automóvel é já hoje

Os carros de condução autónoma ainda têm provas para dar e há legislação a desenvolver, mas a Huawei já está a experimentar colocar a inteligência de visão e leitura da estrada no smartphone.

E resulta.

Não é um carro qualquer.

É um Porsche Panamera.

E não é um smartphone qualquer.

É o Mate 10 Pro com processador de inteligência artificial e capacidade de “ver” a estrada e distinguir o ambiente, tomando decisões consoante o que vê.

Mas mesmo assim é impressionante e um bocadinho assustador andar no lugar de “pendura” sem haver ninguém ao volante.

A experiência RoadReader, montada pela Huawei no parque de estacionamento de Camp Nou, o estádio do Barcelona, é curta, mas eficiente.

Aproveitando o MWC18, a marca criou um ambiente controlado mas que pode mostrar um caminho para a utilização da inteligência artificial. Ainda que seja um caminho longo a percorrer.

Peter Gauden explicou claramente o sistema:

o Huawei Mate 10 Pro é utilizado aqui mais como “cérebro” que interpreta as imagens captadas por uma câmara colocada no topo do carro e ligada via USB. E são as opções que se colocam na app que definem o que fazer quando se encontra um dos três obstáculos: um ciclista, um cão ou uma boa (gigantona).

Pode detrás disso está a preparação de um Porsche Panamera para a experiência por James Brighton, um engenheiro com mais de 20 anos de experiência ma mecanização de veículos que já fez uma série de “magias” do género.

Detalhes qualitativos para Porsche que podemos encontrar em autopecas-online.pt.

Foi a sua equipa que montou o sistema que permite ao Huawei Mate 10 Pro controlar o acelerador e o travão, mas também o volante, deste Panamera de mudanças automáticas (e volante à esquerda à moda inglesa).

Foi ele que acompanhou o SAPO TEK na experiência e garantiu a “segurança” dentro do carro, explicando processos e acionando o carro.  A aplicação foi desenvolvida pela Kerve.

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Ciência, Comunidades, Destaques, Oleiros com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

 

  • RSS
  • Twitter
  • Tumblr
  • Facebook
  • LinkedIn