Valentim Morais faleceu

A imprensa em geral e os meios a que esteve ligado sofrem pesada perda.

As nossas condolências.

Comendador Valentim Morais
4/09/1930 – 20/05/2017

Valentim Gonçalves Morais nasceu a 4 de Setembro de 1930 em Avô, Oliveira do Hospital.

Muito jovem veio para Lisboa onde nos anos 60 adquiriu uma pequena gráfica, a Mirandela para, em poucos anos, a transformar na empresa gráfica com a maior rotativa de jornais do mundo. A Gráfica Mirandela chegou a empregar mais de 500 colaboradores nos anos 80 e a imprimir semanalmente mais de 200 publicações, incluindo as maiores do pais, sendo pioneira no emprego das técnicas de offset, fotogravura e desenvolvimento digital.

Com um historial que recua a 1967, a gráfica começou por funcionar na Calçada do Ferragial, ao Cais do Sodré, e foi depois transferida para a Condessa do Rio na Calçada do Combro. A partir de 1987 em Alcântara, no espaço hoje designado por Lx Factory, depois em Loures, Santo Antão do Tojal, com novas e modernas instalações.

A Gráfica Mirandela desempenhou um papel fundamental para a democratização da sociedade portuguesa, no sentido que terá sido das suas oficinas que antes e depois do 25 de Abril saíram diversos jornais, livros e publicações escritos por personalidades de todos os quadrantes políticos, da esquerda à direita como nenhuma outra gráfica o fazia. Na Mirandela nasceram inúmeros jornais, livros e publicações de que se destacam o “Expresso”, “O Emigrante/Mundo Português”, “O Dia”, o “Jornal Novo”, o “Luta Popular”, entre muitos outros e foi responsável pela impressão diária, em simultâneo, de inúmeros jornais como o “24 horas”, o “Metro”, a “Bola”, o “Económico”, o “Público”, o “Semanário”, “O Independente”, o “Diabo”, o “Crime” e várias revistas de grande tiragem.

Foi na Mirandela que o “ jornal i” começou a ser impresso, bem como as revistas da Deco, folhetos de todas as grandes superfícies e livros da editora Leya, entre outras grandes editoras.

Em janeiro de 1970, fundou com o Padre Vítor Melícias, o jornal ‘O Emigrante/Mundo Português’ sob o lema “Agir Servindo“, porque mais do que um jornal era um serviço prestado aos portugueses que saíam de Portugal para viver nas mais duras condições de vida e num abandono cultural e informativo quase absoluto.

O ‘Emigrante/Mundo Português’ ainda hoje é o semanário português de maior circulação no mundo.

O comendador Valentim Morais faleceu em Lisboa, a 20 de Maio de 2017 deixando 2 filhos, Carlos Morais (atual Administrador do Jornal que deu continuidade ao projecto desde 1980) e José Morais, seis netos e três bisnetos.

O seu corpo está presente na Igreja de S João de Deus, em Lisboa, dia 21, a partir das 19h. A missa de corpo presente terá lugar na segunda-feira, dia 22 às 9.30h. O cortejo fúnebre sairá pelas 11h para a terra que viu nascer Valentim Morais, a aldeia de Avô, em Oliveira do Hospital.

A missa do sétimo dia terá lugar sexta-feira, dia 26, às 20 h na mesma igreja de Lisboa. A missa será presidida pelo Padre Vítor Melícias,’ irmão’, companheiro e amigo do Comendador Valentim Morais há mais de 50 anos.

Comendador Valentim Morais

Comendador Valentim Morais

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Comunidades, Destaques, Imprensa com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *