Universidade Sénior de Proença assina Protocolo com Universidade de Lisboa

Universidade Sénior e Universidade de Lisboa assinam protocolo

A Universidade Sénior de Proença-a-Nova (USPN) e o Instituto de Educação da Universidade de Lisboa assinaram um protocolo para o desenvolvimento do projeto “Memórias Resgatadas:

Percursos de Escolarização, Identidades e Dinâmicas Educativas Locais” que irá permitir a realização de trabalhos académicos sobre o Ensino no concelho de Proença-a-Nova, com base em testemunhos recolhidos junto da comunidade, com especial incidência nos alunos da Universidade Sénior. “

Este protocolo é essencial para darmos um salto qualitativo porque traz-nos um produto, se quisermos, certificado pela Universidade de Lisboa, uma das melhores do país”, considera o reitor da USPN, António Manuel Silva.

Em conjunto com os docentes do Instituto, está a ser elaborado um questionário que será respondido pelos alunos. “Nós vamos fornecer a matéria-prima, eles trabalham os dados e vão publicar monografias sobre a Educação em Proença-a-Nova.

Vamos aparecer ligados a uma universidade de prestígio, o que nos vai dar visibilidade, quer na Universidade Sénior, quer perante a população”.

O protocolo foi assinado a 30 de novembro pelo presidente da Câmara de Proença-a-Nova, João Lobo, durante o encontro com alunos e professores da USPN que marcou o arranque oficial do terceiro ano letivo de funcionamento deste projeto, vocacionado para pessoas com mais de 50 anos que pretendam manter um envelhecimento ativo mediante a aprendizagem e a troca de experiências. João Lobo destacou o pioneirismo da Universidade Sénior de Proença-a-Nova no contexto regional e a importância de um projeto desta natureza para garantir a atratividade do território.

Não temos que ter medo da palavra envelhecimento.

Estamos num concelho do interior e o que caracteriza a nossa pirâmide demográfica é o maior número de pessoas com idade superior a 60 anos.

Temos que tirar partido daqueles que de forma ativa deram o seu contributo, mas que se encontram na melhor fase de partilhar conhecimento consolidado e, com isto, ajudarem cada vez mais a criar uma sociedade com ligação intergeracional mais forte”, afirmou. No ano letivo 2016/2017, estão inscritos 81 alunos na USPN, nos polos de Proença-a-Nova e Sobreira Formosa, que têm 16 disciplinas à escolha, todas lecionadas em regime de voluntariado.

Tanto o reitor como o presidente da Câmara fazem um balanço muito positivo da atividade desenvolvida e que se materializou na execução, por exemplo, de duas publicações pelos alunos nas disciplinas de Escrita Criativa e Etnografia, apresentadas na mesma ocasião.

Olívia Cardoso, docente de Escrita Criativa, apresentou a “Arte de Escrevinhar”, composta por textos escritos pelos alunos em resposta a desafios propostos nas aulas.

“É fruto do trabalho, criatividade e imaginação dos alunos. Eles escrevem com o coração”, sintetizou. Já o livro “Do Grão ao Pão” surgiu na disciplina de Etnografia, lecionada por Maria do Carmo Sequeira, e apresenta uma atividade com grande tradição no concelho: o cultivo do milho de regadio.

Para além de receitas com a farinha de milho, apresentam-se provérbios populares associados a esta temática e uma recolha de danças e cantares, além da descrição de todo o ciclo do milho, desde que é plantado até que é moído.

Também é por estas duas publicações que o balanço que faço da atividade da Universidade Sénior é exponencialmente positivo, e têm agora que se repercutir em mais publicações nos próximos anos. Ao Município cabe incentivar e apoiar, traduzindo-se também estes trabalhos em fatores de atratividade e valorização pessoal e coletiva, consubstanciados no nosso território”, acrescentou João Lobo.

Tanto a função de recordar outros tempos como o estímulo à criatividade são destacados pelos alunos como motivos por se terem inscrito na Universidade Sénior, a que se junta o convívio promovido que é um bom antídoto contra a solidão.

“Com a presença nas aulas ganhei conhecimento, aumentei a autoestima e é, sem dúvida, uma terapia que me tem ajudado. Perante a minha experiência, recomendo a todos as pessoas que, como eu, não tiveram a seu tempo oportunidade de adquirir o conhecimento e recuperar o tempo perdido de que não pudemos dispor”, considera Elias Correia, aluno desde o primeiro ano letivo. Maria da Nazaré Gonçalves destaca, por sua vez, o convívio e a aprendizagem. “Há uma partilha que nos enriquece a todos, posso dar e receber”.

Como Universidade Sénior, há flexibilidade na inscrição de novos alunos que pode ser formalizada em qualquer altura do ano letivo.

João Lobo

João Lobo

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Desporto, Educação, Inclusão, Proença-a-Nova com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *