A Síria pode ser o ponto de partida para a 3ª guerra mundial

As autoridades russas estão a preparar abrigos antinucleares em Moscovo, noticiou a principal estação de televisão da Rússia, referindo que a “terceira guerra mundial já começou” por causa do conflito na Síria.

A menos de 48 horas das negociações sobre o cessar-fogo na Síria e em plena crise diplomática entre Paris e Moscovo, a agência France Presse refere que o apresentador do Rússia 24 – o principal canal de televisão de notícias do país – afirmou que as baterias antiaéreas russas na Síria vão “abater” aviões de guerra norte-americanos.

Na mesma emissão, o canal de informação estatal difundiu uma reportagem sobre a preparação de abrigos antinucleares em Moscovo.

Por outro lado, em S. Petersburgo, o jornal Fontanka, através da internet, indica que o governo russo se prepara para racionar o pão “por causa de uma futura guerra”, apesar de as autoridades afirmarem que pretendem apenas proceder à regulação do preço da farinha.

Segundo a France Presse, as estações de rádio russas lançaram, esta semana, o debate sobre os “exercícios de defesa civil e mobilização” que fazem parte dos programas do Ministério das Situações de Emergência e que prevê também planos de evacuação e de combate a incêndios.

Em Moscovo, sublinha a agência de notícias francesa, são inúmeras as pinturas murais “patrióticas” e de apoio ao Presidente Vladimir Putin e que são difundidas através de imagens de televisão.

De acordo com a redação da France Presse em Moscovo, a “febre” patriótica e as referências sobre a “ iminente terceira guerra mundial” têm como causa a rutura verificada nas negociações entre Washington e Moscovo, no dia 03 de outubro, sobre o conflito na Síria, após o fim do cessar-fogo alcançado em Genebra no passado mês de setembro.

De acordo com as Nações Unidas, os bombardeamentos da aviação da Rússia e das forças de Damasco transformaram a cidade de Alepo num “inferno na Terra” assim como provocaram críticas por parte dos países ocidentais, nomeadamente da França.

A Armada russa desembarcou nos últimos dias no porto sírio de Tartous várias baterias antiaéreas S-300 com capacidade para atingir aviões de combate.

No mesmo porto encontram-se várias corvetas da Marinha de Guerra de Moscovo armadas com mísseis.

Segundo a análise da France Presse, trata-se de armamento que pretende demonstrar força contra as forças militares dos Estados Unidos.

Em Moscovo, a escalada da tensão diplomática é “amplificada” através dos meios de comunicação social que publicam os “inúmeros” comunicados do Ministério da Defesa russo, e nomeadamente as declarações do general Igor Konachenkov, porta-voz do Exército da Rússia que tem dirigido críticas diretas contra a Casa Branca e ao Pentágono.

Eu quero recordar aos ‘estrategas’ americanos que os mísseis antiaéreos S-300 e S-400 que asseguram a defesa das bases russas em Hmeimim e Tartous, na Síria, têm um raio de ação que pode vir a surpreender qualquer aeronave não identificada”, disse o responsável militar russo no dia 06 de outubro.

Na cadeia de televisão estatal Rússia 1, o apresentador Dmitri Kissilev e diretor da agência de notícias Ria Novosti resumiu as declarações do general Konachenkov para que as “pessoas simples as possam entender”, explicando que a ameaça é dirigida diretamente aos aviões norte-americanos.

Kissilev disse também que existe um “Plano B” dos Estados Unidos para a Síria e que consiste no “uso da força” contra o presidente Bashar al-Assad e a aviação da Rússia e “avisou” igualmente os países ocidentais de que os mísseis instalados no enclave russo em Kaliningrad, próximo da Polónia, “podem” estar armados com ogivas nucleares.

Atualmente, a Rússia está mais do que preparada, sobretudo do ponto de vista psicológico, para uma espiral de confrontação com o Ocidente”, afirmou, por seu lado, o politólogo Gueorgui Bovt no site de notícias Gazeta.ru.

Na semana passada, o ex-presidente soviético Mikhail Gorbatchev – que iniciou há 30 anos o fim da Guerra Fria – disse à agência Ria Novosti que o mundo avança “perigosamente para a zona de alerta vermelho” referindo-se ao conflito na Síria.

Mesmo assim, na quarta-feira, num primeiro sinal de alívio, após vários dias de acusações, Moscovo anunciou uma reunião internacional sobre a Síria, agendada para sábado na Suíça, entre o secretário de Estado norte-americano John Kerry e o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov.

Caça russo

Caça russo

Tartus, navio russo

Tartus, navio russo

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Comunidades, Destaques, Política Internacional com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *