Frente Nacional vence 1ª volta das Regionais em França

Publicidade

Extrema-direita à frente em seis das 13 regiões em jogo

. Frente Nacional..30,6%

. Repúblicanos……27  %

. PSF…………………22,7%

.Abstenção ………..49%

Marine Le Pen e a sobrinha são as mais votadas em duas delas e, por isso, PS retira-se na segunda volta a favor de partido de Sarkozy

Assim que as votações encerraram e as sondagens à boca das urnas apontaram para uma vitória histórica da extrema-direita na primeira volta das eleições regionais, a questão colocou-se de imediato.

Iriam Os Republicanos e o PS aliar-se nas regiões em que ambos passam à segunda volta com candidatos da Frente Nacional, por forma a concentrar o apoio apenas numa das formações e assim evitar o triunfo do partido liderado por Marine Le Pen?

A resposta chegou pouco tempo depois: “Vou propor a rejeição de qualquer fusão ou retirada de listas”, disse o líder d’Os Republicanos Nicolas Sarkozy.

Do lado do PS, o seu número um, Jean-Christophe Cambadélis, anunciou a retirada das suas listas em duas regiões na segunda volta (Nord-Pas-de-Calais-Picardie e Provence-Alpes-côte d”Azur), por forma a travar a extrema-direita.

Isso deixará os eleitores socialistas a apoiar os conservadores daquele ex-presidente francês.

Visivelmente satisfeita, após conhecer os números das primeiras sondagens à boca das urnas, Marine Le Pen declarou ontem: “É um resultado magnífico que recebemos com humildade e responsabilidade. O povo exprimiu-se e com ele a França ergueu a cabeça.

Esta votação confirma o que os precedentes escrutínios anunciaram. O movimento nacional é de forma incontestável o primeiro partido“.

Prevendo já uma onda de críticas, a nível interno e também externo, a filha de Jean-Marie Le Pen, histórico e polémico líder da extrema-direita, deixou a garantia: “Não vamos ceder às pressões antidemocráticas das forças políticas e mediáticas. A campanha de difamação vai aumentar.”

Marine Le Pen

Marine Le Pen

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Política Internacional. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *