Danças da Lousa são Património Cultural Imaterial

Danças da Lousa são Património Cultural Imaterial

As Danças Tradicionais da Lousa, foram inscritas no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. A classificação tinha sido proposta em julho de 2014, pela União das Freguesias de Escalos de Cima e Lousa.

A classificação, publicada em Diário da Republica no dia 7 de janeiro, e  assinada pela diretor-geral do Património Cultural, Nuno Vassallo e Silva, fica a dever-se “à importância de que se reveste esta manifestação do património cultural imaterial enquanto reflexo da identidade da comunidade da Lousa (Município de Castelo Branco) em que esta tradição se pratica“.

Trata-se de um conjunto de danças cerimoniais realizadas por ocasião das festas anuais em honra de Nossa Senhora dos Altos Céus, padroeira da localidade, que se realiza no terceiro fim-de-semana de maio e cuja origem está associada à Lenda da Praga de Gafanhotos que assolou a região no século XVII.

Para Luís Correia, autarca albicastrense, esta classificação é “motivo de tripla satisfação: para a comunidade local, a quem cumprimento pela distinção  alcançada, para todas as pessoas e entidades que participaram no processo, e para a Câmara Municipal que pretende dar continuidade a este trabalho ao apostar no reconhecimento de tradições e costumes com idêntico interesse e valor cultural e etnográfico.

De acordo com António Teles Chaves, Presidente da Lousarte, as Danças da Lousa tornaram-se assim “o terceiro bem e o primeiro do concelho de património imaterial” inscrito no Inventário Nacional.

Durante a apresentação, que decorreu, no passado dia 12, na Câmara de Castelo Branco, António Teles Chaves deixou bem patente a garra do povo da Lousa em manter viva esta tradição que já conta com quase cinco séculos de existência.

“Há uma vontade enorme do povo da Lousa em manter tradições e este esforço tem sido acompanhado pela autarquia. A Câmara Municipal de Castelo Branco sempre demonstrou interesse pela nossa realidade cultural”.

No entanto, a desertificação e o envelhecimento da população com que se depara a região e, nomeadamente, Lousa, tem vindo a ser uma dificuldade, dado que, no caso da Dança das Virgens, as meninas quando atingem os 17 ou 18 anos têm de ser substituídas.

Durante a apresentação foi explicada toda a história envolvente às Danças da Lousa, que são constituídas por três danças: a das Virgens, a dos Homens e a das Tesouras. “Qualquer uma delas tem o seu valor e os Historiadores têm acompanhado as nossas danças”, acrescentou Teles Chaves.

Assim, como manda a tradição, no próximo dia 17 de maio, no decorrer da Festa de Nossa Senhora dos Altos Céus, a comunidade poderá então assistir às Danças da Lousa.

Trajes

Trajes

Luis Correia discursa

Luis Correia discursa

* Cristina Valente, Correspondente em Castelo Branco

 

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *