EDITORIAL: Este não é o país que eu desejava

EDITORIAL

Em pleno Natal, tenho percorrido as ruas, impotente, fazendo o que é possível – e é tão pouco o que faço – mas não resisto em dizer-Vos de viva vós que este não é o meu país, o país que sonhei e pelo qual lutei.

Afinal, esta classe política (salvaguardadas as excepções que existem felizmente ), deixou pelo caminho os mais indefesos, os pobres, os que não nasceram em berços protegidos.

A vergonha nas nossas cidades é grande, incomoda, mete medo.

Tanta gente a dormir na rua, ao frio, com fome, desempregada.

Arrasaram Portugal, a UE, a Tróika, o Governo e, arrasaram a um ponto tal, que não há solução.

Milhares permanecerão sempre na margem, à margem, não mais voltarão ao trabalho, a ter uma família organizada.

Mas o que mais incomoda é ver tanta criança com fome. As crianças e as famílias das crianças.

Uma vergonha o que se passa em Portugal.

As cantinas das escolas abrem nas férias para dar uma refeição às crianças, mas também às famílias das crianças.

Tenhamos um pouco de decoro.

Façamos um Natal sóbrio, ajudem onde possam, ajudem, é preciso.

Paulino B. Fernandes

Director

.
Foto: GLOBAL IMAGENS, com a devida vénia

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Editorial. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *