Idanha-a-Nova adere ao projeto Iniciativa para a Economia Cívica

PLATAFORMA APOSTA NO DESENVOLVIMENTO DAS REGIÕES DO INTERIOR

A Câmara de Idanha-a-Nova aderiu ao consórcio Iniciativa para a Economia Cívica (IEC), uma plataforma que aposta no desenvolvimento das regiões do interior do país, foi hoje anunciado.

“Esta é uma iniciativa que irá envolver um conjunto de instituições locais e que vem acrescentar atratividade ao concelho [Idanha-a-Nova] e enriquecer os projetos que aqui são desenvolvidos, com benefícios para a valorização dos nossos recursos e para a fixação e captação de economia e de jovens empreendedores”, disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto.

A IEC é uma plataforma recentemente lançada que junta cidadãos, entidades públicas, privadas e da economia social, com o objetivo de dar novas respostas aos problemas, necessidades e desafios que a sociedade portuguesa enfrenta, apostando no desenvolvimento do interior do país.

Maria do Caqrmo Marques Pinto e Armindo Jacinto

Maria do Caqrmo Marques Pinto e Armindo Jacinto

Em declarações à Lusa, uma das promotoras do projeto, Maria do Carmo Marques Pinto, explicou que a IEC está a preparar a sua candidatura à gestão de linhas de financiamento do fundo “Portugal Inovação Social”, anunciado em setembro pelo Governo.

A jurista, especialista em questões europeias e que até setembro de 2014 foi diretora do Banco de Inovação Social (BIS), adiantou ainda que o “Portugal Inovação Social” é um instrumento financeiro criado pela União Europeia (UE) para investimento social.

A dotação do fundo é de 150 milhões de euros, segundo o anúncio feito em setembro de 2014, pelo ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Poiares Maduro.

A adesão do município de Idanha-a-Nova à IEC é, segundo o autarca, “muito importante para a valorização dos recursos em termos culturais, mas também ao nível da captação e da fixação de atividade económica e de gente jovem no concelho”.

“Estamos a falar de territórios como Idanha-a-Nova, que têm um índice muito elevado de saída de população e de despovoamento”, adianta.

A IEC é uma plataforma para a inovação e transformação social que pretende promover uma nova economia, de base local e de interesse geral, capaz de configurar respostas inovadoras e sustentáveis para a produção de bens e serviços públicos e de gerar riqueza e emprego.

O consórcio tem já como parceiros as câmaras do Fundão, Gondomar, Bragança, Gouveia e Vila Real e a Universidade de Évora.

Conta ainda com o apoio institucional da Fundação Oriente, da Vieira de Almeida e da The Young Foundation.

A Universidade de Lisboa é também parceira no projeto europeu para a criação do Centro para a Inovação Cívica e Social.

A equipa promotora da Iniciativa é constituída por Maria do Carmo Marques Pinto, Filippo Addarii, Indy Johar, Nuno Vitorino, Paola Bergamaschi Broyd e Rui Carapeto.

*JO/Lusa

Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia, Idanha-a-Nova. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *