Unidade de Saúde de Castelo Branco quer vincular grávidas à maternidade local

PROJETO “VISITA À MATERNIDADE”

A Unidade Local de Saúde de Castelo Branco (ULS) quer vincular as grávidas da região à maternidade do Hospital Amato Lusitano (HAL), em vez de optarem por maternidades de outros hospitais, foi hoje anunciado.

HAL

O projeto de “Visita à Maternidade” vai ser brevemente instalado no HAL e tem como objetivo promover a vinculação da grávida à maternidade.

“Com a implementação deste projeto, pretendemos diminuir o nível de ansiedade no momento da admissão e internamento [da grávida], para além de promover um melhor relacionamento da tríade mãe, bebé e pai”, refere a administração da ULS em comunicado enviado hoje à agência Lusa.

A administração da ULS explica ainda que constata frequentemente que as grávidas apresentam um considerável nível de ansiedade no momento da admissão, “independentemente do motivo que as levou a recorrer ao serviço e desconhecem a estrutura física e a sua orgânica”.

grávidas

Neste âmbito, o projeto quer promover “uma maior proximidade” da ULS com as grávidas da região, pois uma das preocupações dos casais, desde o início da gravidez, “é a escolha do local onde irão fazer a vigilância da gravidez e, paralelamente, a do local do nascimento”, refere o comunicado.

Para o efeito, o projeto inclui uma visita à maternidade realizada semanalmente, às quartas-feiras.

Um enfermeiro da equipa da maternidade irá acompanhar as grávidas entre as 34 e as 36 semanas de gravidez, sendo que a visita requer um agendamento prévio, que pode ser feito através de contacto telefónico ou presencial, no serviço de Obstetrícia da ULS.

RECEMNASCIDO_L

A visita inicia-se com uma breve introdução e entregas de folhetos informativos sobre o funcionamento do serviço, normas, recursos existentes, enxoval, documentação necessária ao internamento, trabalho de parto/cesariana, analgesia epidural, sinais de alarme durante a gravidez e esclarecimento de dúvidas.

Segue-se a apresentação da estrutura física, recursos humanos e materiais, com especial ênfase na enfermaria e bloco de partos, dado serem os espaços mais relevantes em termos de internamento e trabalho de parto.

*Com Lusa

Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Destaques, Economia. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *