Politécnico de Castelo Branco investe no desenvolvimento da região

“NÃO HÁ LIMITE PARA OS SERVIÇOS QUE O IPCB PODE PRESTAR À REGIÃO”

Uma missão de embaixadores de nove países da América Latina visitou hoje o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) no âmbito da internacionalização da instituição e do desenvolvimento de contactos com empresas locais para negócios futuros.

A visita, promovida pelo Instituto para a Promoção e Desenvolvimento da América Latina (IPDAL), em parceria com o IPCB, prevê também contactos com empresas da região de Castelo Branco num fórum empresarial.

IPCB_009

Carlos Maia

“Em março deste ano manifestámos ao IPDAL o interesse em ter os embaixadores na instituição, porque entendemos que além das três missões mais frequentes do ensino superior (ensino, investigação e a prestação de serviços à comunidade) começa a ganhar dimensão o envolvimento das instituições no desenvolvimento local e regional”, disse hoje o presidente do IPCB à agência Lusa.

Carlos Maia explicou que o IPCB entendeu alargar esta visita a um fórum empresarial para possibilitar aos empresários da região contactos com os embaixadores, que futuramente poderão abrir as portas para a exportação de produtos e reforçar a economia, quer a nível local e regional, quer nacional.

José Korzeniak, Carlos Maia e Paulo Neves

José Korzeniak, Carlos Maia e Paulo Neves

“Achamos que a instituição [IPCB] tem também essa responsabilidade, neste momento. E tudo aquilo que possamos fazer para promover o desenvolvimento da região, entendemos que também é da nossa competência, obviamente, em parceria com os outros atores”, adiantou.

Sem querer retirar protagonismos ou competências a ninguém, Carlos Maia disse entender que uma instituição de ensino superior tem também essa incumbência e a obrigação de pugnar por este tipo de atividades.

“Não há limite para os serviços que o IPCB pode prestar à região. Todas as atividades que possam potenciar a região, podemos ou executá-las ou colaborar nelas com os outros atores, desde autarquias, núcleos empresariais ou outros. Estamos muito empenhados em promover o desenvolvimento da nossa região”, concluiu.

O embaixador do Uruguai em Portugal, que falou em nome dos seus congéneres da Colômbia, República Dominicana, Cuba, Panamá, Chile, Paraguai, México e Peru, realçou a importância destes princípios de cooperação, não só a nível académico, como empresarial.

IPCB

José Korzeniak disse que “o mundo, hoje, mostra que não há desenvolvimento sem integração e vice-versa” e adiantou que “é importante que Portugal ganhe novamente uma centralidade que já teve”.

O embaixador realçou ainda a “vantagem” do país ser uma porta de entrada para a Europa e “um canal privilegiado para a América Latina e para a África”.

“Temos que percorrer muitos caminhos e acertar pormenores de acordo para que ganhem ambas as partes”, disse o embaixador do Uruguai, para o qual esta visita “constitui um ingrediente imprescindível para dar esses passos”.

O presidente do IPDAL, Paulo Neves, realçou a “grande dinâmica” da região de Castelo Branco e adiantou que o IPCB “é um verdadeiro pivô no desenvolvimento da região”.

“Conhecer Portugal não é ficar em Lisboa. O país é muito mais do que isso”, disse.

Paulo Neves sublinhou que existem imensas oportunidades de negócio nos países da América Latina, sobretudo para as pequenas e médias empresas (PME).

“Cada vez mais a diplomacia económica faz parte de todos os países”, concluiu o presidente do IPDAL.

*Jornal de Oleiros/Lusa

Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia, Educação. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *