Politécnico de Castelo Branco recusa baixar nível de qualidade dos licenciados

“O GRAU DE EXIGÊNCIA TEM QUE SER ELEVADO”

O presidente do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) disse hoje que o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) “nunca aceitará baixar os níveis de exigência nem de qualidade” dos licenciados daquelas instituições.

Carlos Maia

Carlos Maia

Carlos Maia, que integra a Comissão Permanente do CCISP, reagia assim à notícia do Diário Económico de que o Ministério da Educação e Ciência (MEC) quer baixar as notas de acesso dos politécnicos em 2015.

“Tive conhecimento pelos jornais [dessa pretensão], mas não fui ainda contactado, nem o CCISP. O que digo é que, estaremos disponíveis para discutir aquilo que nos for apresentado em concreto. Temos que perceber do que é que estamos a falar” disse o presidente do IPCB à agência Lusa.

O responsável do IPCB adiantou que “o grau de exigência tem que ser elevado, tanto no ensino superior politécnico como no ensino superior universitário”.

Carlos Maia mostrou-se também preocupado com aquilo que se está a passar em torno das engenharias e disse mesmo que a situação “está a ser uma catástrofe para Portugal, tal como se previa”.

IPCB FACHADA

O presidente do IPCB explicou que na altura em que passou a ser obrigatório a implementação da matemática e da física para as engenharias, o CCSIP fez um estudo e tudo o que está a acontecer neste momento, “está vertido nesse estudo”.

“O que é lamentável é que só se comece a trabalhar nestas matérias quando se atinge as instituições de grande dimensão. Agora que o Instituto Superior Técnico (IST), o Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) e o Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) já não preenchem [as vagas], é que tocaram os sinos a rebate e vê-se que de facto alguma coisa não está bem”, disse Carlos Maia.

O responsável do IPCB sublinhou que daqui a cinco ou seis anos, o país “vai pagar muito caro o facto de não ter engenheiros”, nomeadamente em algumas áreas como a engenharia civil.

*Com Lusa
Esta entrada foi publicada em Educação, Política. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *