Moradores da aldeia do Alcaide, no Fundão, abrem portas para o Festival do Cogumelo

SEXTA EDIÇÃO DO MÍSCAROS

Os habitantes da aldeia do Alcaide, no Fundão, “vão abrir a porta das suas casas” para receber os “cerca de 30 mil visitantes nacionais e internacionais esperados no Festival do Cogumelo”, disse hoje o presidente da câmara.

Cartaz-Miscaros-Festival-do-cogumelo-2014

Durante a apresentação do Míscaros 2014 – Festival do Cogumelo, que decorreu hoje na Lx Factory, em Lisboa, Paulo Fernandes, presidente da Câmara do Fundão reforçou a importância de se “valorizar um recurso endógeno, que são os cogumelos silvestres, e a paisagem protegida, como é a Serra da Gardunha, para o turismo rural”.

Entre os dias 14 e 16 de novembro, o Festival do Cogumelo vai “explorar o forte património fúngico do país com mais de 300 espécies, entre as quais se destacam os míscaros que nascem nas encostas da Serra da Gardunha”.

Para o autarca, “é importante que o preço que se paga hoje pelos cogumelos fique na comunidade local”.

“Nós vemos cogumelos que se vendem a sete e a oito euros no nosso mercado e depois aparecem no mercado ‘gourmet’ das grandes capitais europeias à volta de 100 euros por quilo, por isso queremos que esse valor fique na comunidade local, numa lógica de comércio justo”, declarou.

cogumelo2[1]

O festival vai proporcionar também “um turismo de experiência, em que a comunidade do Alcaide abre as portas das suas casas e tem uma relação de proximidade permanente com os visitantes”.

Durante o Festival do Cogumelo, os visitantes podem participar nos passeios micológicos pela Serra da Gardunha, degustar diferentes formas da confeção de cogumelos e outros produtos agroalimentares da região, como a cereja do Fundão.

Especialista em cogumelos, José Matos explicou que “é preciso um conhecimento bastante aprofundado das espécies fúngicas existentes para não se correrem riscos e não haver perigos”.

“Em Portugal, infelizmente, não existe legislação para a apanha de cogumelos. Quem apanha cogumelos devia ter uma licença como têm os pescadores e os caçadores, para não haver o perigo de as pessoas apanharem cogumelos venenosos”, considerou.

Alcaide

Nesta sexta edição do Míscaros, o autarca Paulo Fernandes disse esperar que o festival seja visitado por “cerca de 30 mil pessoas, que deixarão 250 a 300 mil euros relativamente a consumos na aldeia do Alcaide”.

Organizado pela Câmara Municipal do Fundão, a Junta de Freguesia do Alcaide e a Liga dos Amigos do Alcaide, o Festival do Cogumelo tem “um orçamento de cerca de 20 mil euros, financiados por fundos comunitários para a valorização das áreas protegidas do interior do país”.

*Jornal de Oleiros/Lusa

Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia, Fundão. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *