Livro é contributo para a redescoberta da história

DEFENDE QUE BEIRÕES AJUDARAM A POVOAR A ILHA DO FAIAL

“Castelo Branco, um primeiro olhar sobre cinco séculos de história”, da autoria do açoriano José Manuel Braia Ferreira, foi apresentado na passada sexta-feira, no âmbito da geminação de Castelo Branco da Beira Baixa com Castelo Branco dos Açores.

Fernando Raposo, Jorge Neves e José Manuel Ferreira

Fernando Raposo, Jorge Neves e José Manuel Ferreira

O livro é um contributo para a redescoberta da história do concelho da Horta e foi lançado a propósito das comemorações dos quinhentos anos da freguesia de Castelo Branco na ilha do Faial.

“Este é mais um passo na concretização de um ato de geminação. As palavras que dissemos aquando da assinatura do protocolo de geminação entre as duas freguesias temos vindo pouco a pouco a traduzi-las em atos”, salientou o presidente da Junta de Freguesia de Castelo Branco, a propósito da cerimónia.

Já Vítor Pimental o autarca que preside a Castelo Branco dos Açores, salientou as amizades que se foram criadas ao longo deste processo de geminação, justificando a decisão de vir à Beira Baixa apresentar o livro, uma semana após a apresentação na freguesia açoriana.

Vítor Pimentel no uso da palavra

Vítor Pimentel no uso da palavra

“Foi por isso que decidimos vir apresentar este livro aqui, `vossa, nossa freguesia, fizemos questão que a segunda apresentação fosse feita nesta freguesia irmã”, referiu, o presidente da autarquia da ilha do Faial.

Finalmente o autor fez uma lúcida, breve mas entusiástica apresentação da sua obra onde ressaltam duas perguntas essenciais que fazem parte da génese do livro, a primeira, o porquê do nome Castelo Branco e a segunda, que influência tiveram realmente os primeiros casais que saíram da região da Beira Baixa em 1470 para povoar os Açores e mais concretamente a ilha do Faial e por consequência a localidade de Castelo Branco.

E se em relação à primeira a resposta era já conhecida de muitas, tem a ver com a primeira imagem do Morro, pedaço de terra esbranquiçada da ilha que sobressaí no horizonte a partir do mar. Já a resposta à segunda questão tem uma resposta que pode surpreender muitos. “Com a ida para as ilhas Açorianas de muitos continentais para povoamento das ilhas, foram muitos casais das beiras, e também famílias flamengas para povoar, em concreto a ilha do Faial e parte da ilha de S. Jorge”, explica o José Manuel Ferreira.

Na cerimónia esteve também presente Fernando Raposo, vereador da Cultura do município albicastrense.

Esta entrada foi publicada em Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *