Lince ibérico reintroduzido em breve em 2.000 hectares de terrenos em Portugal

PACTO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO LINCE IBÉRICO

O Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) assinou hoje contratos com proprietários de dois mil hectares de terrenos onde “brevemente” será reintroduzido o lince ibérico em Portugal, anunciou o Ministério do Ambiente.

A assinatura dos contratos, os primeiros entre o ICNF e proprietários de terrenos para a reintrodução do lince ibérico em Portugal, decorreu em Mértola e foi presidida pelo secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Miguel Castro Neto.

Os contratos assinados disponibilizam dois mil hectares de terrenos que serão o habitat natural do lince ibérico, “permitindo, assim, que, brevemente, a espécie seja libertada em território nacional”, refere o ministério, em comunicado.

LINCE

Segundo Miguel Castro Neto, citado no comunicado, trata-se de “um passo decisivo no projeto, iniciando a definição geográfica, em estreita colaboração com os proprietários e gestores, do local de reintrodução do lince ibérico” em Portugal.

Através da assinatura dos contratos, os proprietários “mostram-se disponíveis para promover a espécie nos seus próprios terrenos, que correspondem ao habitat natural do lince, e poderão ver as suas propriedades adquirir maior valor económico por via do interesse que um dos felinos mais ameaçados do mundo vai suscitar no turismo de natureza, tal como aconteceu em Espanha”, frisa o ministério.

LINCE BEBÉ

De acordo com o Ministério do Ambiente, o “esforço” na preservação da espécie ficou também assente no Pacto Nacional para a Conservação do Lince Ibérico, que já foi subscrito pelos municípios de Penamacor, Moura, Beja e Silves, por associações de caça e outras entidades públicas e da sociedade civil.

Foi também já homologado, por Miguel Castro Neto, o “Projeto SOS Coelho Bravo”, que visa “encontrar estratégias para estabilizar as populações da principal presa do lince ibérico” e é financiado em 180 mil euros pelo Fundo de Conservação da Natureza.

*Com Lusa

Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *