Sopas de Peixe em Ródão dinamizam economia local

II FESTIVAL DECORREU NO PASSADO FIM-DE-SEMANA

O II Festival das Sopas de Peixe, promovido pela autarquia de Vila Velha de Ródão, marcou a diferença e deu vida ao passado fim-de-semana, onde nem a meteorologia constituiu preocupação. A receita das Sopas de Peixe de Ródão conseguiu atrair visitantes até este território e projetar o nome do concelho fora de portas. Durante os dois dias assistiu-se à chegada de muitas pessoas, quer em grupos organizados quer individualmente, que participaram no programa do Festival que incluiu um elevado número de atividades e que deu a conhecer o melhor do património do concelho, da gastronomia à cultura, da natureza às atividades económicas mais tradicionais.

Sopas

O cais de Vila Velha de Ródão e a sua zona envolvente, enquadrada pela beleza paisagística proporcionada pelo Tejo e pela serra, constituíram o local que deu centralidade ao programa do Festival.

O sábado começou bem cedo com o programa da TSF “Terra-a-Terra”, realizado em direto a partir de Ródão. Vários convidados das mais variadas áreas testemunharam as potencialidades que o concelho tem para oferecer. Custódio Castelo, uma referência da renovação da guitarra portuguesa, nas últimas duas décadas, veio até Vila Velha de Ródão e acompanhou musicalmente o programa da TSF.

Sopas barco

À semelhança da primeira edição do festival, a autarquia estabeleceu uma parceria com a CP, que proporcionou a todos os que escolheram o comboio como via para chegar até ao II Festival das Sopas de Peixe, um leque de vantagens nos serviços aderentes, culminando a sua chegada à estação de Ródão com a receção, aos cerca de 200 turistas, com um momento de animação teatral proporcionada pelo Grupo Amador de Teatro do CDRC. No cais de Ródão, ao som do grupo de percussão Toc & Ródão foi efetuada a degustação dos produtos locais de reconhecida qualidade, mel, azeite, queijo, presunto, doçaria, pão, vinho e desenvolvido um programa de visitas guiadas, em transporte gratuito disponibilizado pelo município, a vários pontos de interesse do concelho, Lagar de Varas, Castelo do Rei Vamba, CIART, Monumento Natural das Portas de Ródão.

Após o almoço, nos restaurantes aderentes, a animação musical, com as bandas filarmónicas de Fratel, Retaxo e de Nisa, deu vida a alguns espaços emblemáticos da vila, culminando no Cais de Ródão com uma atuação única, acarinhando, assim, quem por lá passava.

Sopas orquestrada 1

A Casa de Artes e Cultura do Tejo foi a porta de entrada para um grande momento musical que encerrou o 1º dia de festival, o espetáculo com os Oquestrada, cuja atuação, entusiasmou o público, divulgando os temas dos seus últimos trabalhos discográficos, um cocktail muito português de prazer de viver e de doce nostalgia.

O domingo começou com uma atividade de pedestrianismo distribuída por duas rotas: PR5 – Caminho da Telhada em Perais e PR6 – Geologia e Arqueologia Urbanas de Ródão, que fazem parte da Rede de Percursos de Ródão e simultaneamente com um concurso de pesca na barragem da Coutada/Tamujais, organização da Junta de Freguesia de Vila Velha de Ródão. Os passeios pedestres foram acompanhados por guias que apresentaram o território e o seu enquadramento natural e histórico. A participação nestas iniciativas incluiu um almoço constituído por uma peixada tradicional cuja receita reverteu para fins solidários, associados às ações da Liga Portuguesa Contra o Cancro, parceira nesta ação.

Sopas bombos

Durante a tarde e à semelhança do dia anterior, a venda de produtos locais bem como o mercadinho do pão registaram uma grande procura constituindo uma oportunidade para os forasteiros poderem levar na bagagem os produtos de excelência que vão ajudar a perpetuar na memória o seu envolvimento neste IIº Festival das Sopas de Peixe.

A autarquia de Vila Velha de Ródão, com este evento, cumpriu o objetivo de divulgar e a atrair mais visitantes à região, promover a sua gastronomia, mais concretamente o prato das Sopas de Peixe, marca do concelho de Vila Velha de Ródão, valorizar o seu potencial turístico, natural e cultural, e estimular a atividade económica da restauração e da hotelaria, criando ainda oportunidades para a promoção dos produtos de excelência resultantes da atividade desenvolvida pelas suas pequenas e médias empresas.

Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *