Região centro captou 1648 jovens agricultores em seis anos

REVELOU MANUEL SEQUEIRA DA DRAP CENTRO

A região centro captou, nos últimos seis anos, 1648 jovens agricultores, 232 dos quais instalados na Cova da Beira, revelou hoje Manuel Sequeira, delegado regional de Castelo Branco da Direção Regional de Agricultura e Pesca do Centro (DRAPC).

DRAPC

“Relativamente ao Programa de Desenvolvimento Rural que decorreu entre 2007 e 20013 [PRODER], o número de jovens agricultores instalados na Cova da Beira foi no total de 232. Isso representa 14,07% do número de jovens agricultores que se instalaram na zona centro. Ou seja, a zona centro fixou 1648 jovens agricultores”, disse.

Manuel Sequeira falava durante uma sessão de esclarecimento subordinada ao tema dos “Desafios para o Desenvolvimento Rural, realizada no Fundão, pela RUDE – Associação de Desenvolvimento Rural que abarca os concelhos da denominada Cova da Beira, ou seja, de Belmonte, Covilhã e Fundão.

Durante a sessão, este responsável também admitiu que os jovens agricultores captados não são ainda suficientes para resolver uma das “fragilidades” do mundo rural, designadamente a do envelhecimento dos agricultores.

“Uma das fragilidades que temos de combater é a idade média dos agricultores que é bastante elevada – 63 anos. Além disso, só dois por cento dos jovens agricultores é tem menos de 35 anos e 74% têm apenas o ensino básico ou menos”, sublinhou para explicar a necessidade de rejuvenescimento do setor.

Manuel Sequeira revelou mesmo que essa será uma das “áreas prioritárias” do próximo Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2014/20120), isto a par do “aumento da capacidade de inovação, da criação de conhecimento no setor agroflorestal, da modernização das explorações, através do investimento na transformação e comercialização e da aposta em áreas de regadio”.

RUDE

Sobre esse ponto em concreto, Manuel Sequeira recordou que na região há um grande “potencial” e “muita superfície para onde crescer”, já que o Regadio da Cova da Beira (empreendimento que demorou mais de 50 anos a concretizar) abrange 12.360 hectares e área de cultura regadas na Cova da Beira é apenas de cerca de 3.300 hectares.

Presente no encontro, Patrícia Cotrim, gestora do PRODER, também deu conta de que na zona centro e no âmbito deste programa foram aprovadas “5.300 candidaturas, que deram origem a 7.500 postos de trabalho, o que corresponde 1,5 postos de trabalho por cada uma das candidaturas”.

Patrícia Cotrim

Patrícia Cotrim

“Na área de atuação da RUDE foram [aprovados] 120 projetos que criaram 160 postos de trabalho, num total de sete milhões de despesa pública”, especificou.

Carlos Pinto, presidente da RUDE, foi mais longe no balanço da atividade e recuou até 1991: “Fomos capazes de aplicar cerca de 25 milhões de euros de fundos comunitários na área do Leader e do PRODER”, referiu, antes de apelar a que, na gestão dos fundos comunitários de 2014-20120, se preserve o “stock de conhecimento e experiência” dos GAL – Gabinetes de Apoio Local.

*Jornal de Oleiros/Lusa

 

Esta entrada foi publicada em Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *