Câmara de Proença-a-Nova defende apoios para produtores de pinheiro bravo

DURANTE A 1ª CONFERÊNCIA DO PINHAL

O presidente da Câmara de Proença-a-Nova, João Paulo Catarino, defendeu hoje apoios para os produtores florestais de pinheiro bravo, cujas culturas só dão retorno ao fim de 30 anos.

João Paulo Catarino

João Paulo Catarino

“Enquanto [o pinheiro bravo] não der um rendimento periódico ao proprietário, não há volta a dar”, sustentou, acrescentando que se “está a falar de culturas que levam 30 anos a dar resultados para o proprietário”.

João Paulo Catarino, que falava durante a 1.ª Conferência do Pinhal, uma iniciativa do Jornal do Fundão e da Câmara de Oleiros, disse que esta “é uma visão pragmática de quem vive no meio dos pinheiros, com muito orgulho”.

Para o autarca, o retorno económico da fileira do pinheiro bravo é fundamental e realçou ainda o facto de nos últimos dois anos terem sido sempre transferidas verbas do quadro comunitário de apoio (QCA), inicialmente destinadas à floresta, para a agricultura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

“Os proprietários florestais não as conseguiram gastar”, disse, explicando que “se os proprietários tivessem retorno económico do pinho também adubavam as árvores como fazem com o eucalipto”, destacou.

João Paulo Catarino defende que os produtores florestais de pinheiro bravo devem ser apoiados e sustenta a sua argumentação: “quem planta uma árvore para ter retorno daqui a 30 anos tem que ser apoiado”.

*Com Lusa
Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia, Proença-a-Nova. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *