Programa de bolsas para o interior “peca por tardio”

POLITÉCNICO CASTELO BRANCO

O presidente do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), Carlos Maia, disse hoje que o programa de bolsas +Superior para as instituições do interior do país “peca por tardio”, apesar de o considerar “bem-vindo”.

Carlos Maia

Carlos Maia

“Para já, é uma medida que peca por tardia. No dia seguinte às colocações, não é às candidaturas, é que foi aprovado o despacho que estabelece as bolsas do +Superior para o interior do país”, refere Carlos Maia.

O IPCB foi contemplado com 80 bolsas de 1.500 euros anuais, destinadas a alunos que pretendam candidatar-se a uma instituição de ensino superior no interior do país e cujas candidaturas podem ser feitas a partir de hoje e até ao dia 10 de outubro.

“Mas, vale mais tarde do que nunca. E, portanto, vamos também ter alguma esperança de que essas bolsas consigam atrair mais alunos para o interior. Mas, volto a dizer, é uma medida bem-vinda, mas tímida, insuficiente. São mil bolsas a dividir por 13 instituições”, adiantou.

Carlos Maia reconhece que se está numa “fase inicial” do programa, mas entende que “tem de haver medidas mais consistentes e concretas”.

“Estamos na expectativa e vamos ver como é que os alunos vão aderir a esta iniciativa”, sublinha.

*Com Lusa
 

 

Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Destaques, Educação. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *