Orquestra que junta 50 músicos da diáspora portuguesa prepara 3.ª digressão

SÁBADO ESTARÁ EM CASTELO BRANCO

A Orquestra XXI, que tem como objetivo manter uma forte ligação entre os jovens músicos portugueses residentes no estrangeiro e o seu país de origem, está a preparar a sua 3.ª digressão, com a qual celebra o primeiro ano de existência.

orquestra XXI

Nesta digressão, a orquestra reúne cerca de 50 músicos vindos de toda a Europa, que durante uma semana trabalham de forma intensa o repertório clássico e mostram o resultado numa série de concertos.

“Manter estes músicos ligados ao País é a grande mais-valia deste projeto”, disse à agência Lusa Dinis Sousa, fundador e diretor musical da orquestra.

O jovem maestro, que está a estudar e a trabalhar há oito anos em Londres, faz um balanço “muito positivo” do projeto, adiantando que artisticamente “vai sendo cada vez mais consolidado e mais bem-sucedido”.

O projeto da Orquestra XXI nasceu há cerca de um ano para, entre outros objetivos, “contrariar a tendência de exportação de talento”.

Orquestra XXI

Orquestra XXI

“As pessoas indo para fora acabam por contribuir menos para a evolução do nosso tecido musical”, referiu Dinis Sousa, afirmando que muitos dos músicos participantes “já tinham a vontade de voltar a tocar em Portugal antes de o projeto existir”.

Pela jovem orquestra já passaram quase uma centena de músicos, com idades entre os 19 e os 32 anos, a maioria dos quais provenientes de países como a Inglaterra, Alemanha, Suíça e Holanda.

Premiada em 2013 pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito da iniciativa FAZ – Ideias de Origem Portuguesa, a Orquestra XXI tem previsto quatro atuações, sendo a primeira na quinta-feira, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães.

Nos dias imediatamente a seguir, a orquestra atuará na Casa da Música, no Porto (dia 05), no Cine Teatro Avenida, em Castelo Branco (dia 06) e na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa (dia 07).

Nestes concertos, a orquestra vai interpretar obras dos séculos XVII a XXI, de compositores como Henry Purcell, Beethoven, Ravel, Britten e Luís Antunes Pena.

Maestro Dinis Sousa

Maestro Dinis Sousa

Dirigida por Dinis Sousa, a orquestra terá como solista o violetista Jano Lisboa, o 1.º Viola Solista da Orquestra Filarmónica de Munique.

Além dos concertos, a Orquestra XXI, que hoje fez um ensaio aberto à imprensa, acolheu na passada terça-feira, em estágio, alguns alunos de escolas de música e conservatórios portugueses, que puderam participar num ensaio da orquestra, sentando-se lado a lado com os músicos que a integram.

*Jornal de Oleiros/Lusa
 
Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *