Festivais de artes e animação juntam-se para dar vida ao centro histórico do Fundão

CALE FESTIVAL E SANGRIAGOSTO ENTRE OUTROS

A zona antiga do Fundão vai receber de 01 a 09 de agosto dois festivais de arte e animação de rua, que se juntam no objetivo de dar vida e promover o comércio daquela parte da cidade.

Zona histórica do Fundão

Zona antiga do Fundão

“Esperamos que mais uma vez a cidade se envolva, a cidade saía à rua e que possamos ter mais um ponto de encontro de gerações, no qual as ruas em vez de automóveis tenham de facto pessoas, atividades, momentos criativos”, sublinhou Paulo Fernandes, presidente da Câmara Municipal do Fundão, uma das entidades organizadoras do Cale&SangriAgosto, num conferência de imprensa hoje ao final da tarde, no Fundão.

Fundão

Noutras edições, o Cale Festival e o SangriAgosto foram levados a cabo em organizações distintas, mas este ano, o Município, a Associação Comercial e a Junta de Freguesia locais decidiram promover os eventos num cartaz comum, “que deverá tirar o máximo partido” dos dois eventos.

“A fusão das duas vertentes em termos de oferta parece-me que pode ser o grande segredo para o enorme sucesso que este programa de atividades tem tido em termos de adesão do público e de participantes”, referiu Paulo Fernandes.

Paulo Fernandes

Paulo Fernandes

O autarca garantiu ainda que a matriz diferenciadora de cada festival será mantida, pelo que o público continuará a encontrar a componente de cultura, artes que tipificam o Cale Festival, bem como os espaços de comércio aberto, tasquinhas e animação de rua, que se enquadram mais no espírito do SangriAgosto.

Deste modo, para participarem na componente Cale, nome de uma das ruas mais antigas do Fundão, está já garantida a presença de 25 criadores artísticos, que, ao longo dos dias 01, 02 e 03 de agosto, apresentaram os respetivos trabalhos, constituindo eles próprios parte da animação que haverá nas artérias envolvidas.

Dos 25 criativos, 12 são do Fundão, sendo que estes, através de artes como a dança, as instalações, as ‘performances’ ou até o ‘videomapping’ apresentarão as criações que se baseiam na componente da memória e da tradição cidade.

Entre os trabalhos, haverá, por exemplo, a recriação de uma viagem turística aos pontos de referência da cidade, realizada num autocarro fundanense de há várias décadas, ou a instalação do “Jardim Rendilhado”, que envolve mulheres cantadeiras e fazedoras de renda da região.

A estas atividades associar-se-ão as referências do SangriAgosto, com a animação de rua e a manutenção do comércio aberto, com prolongamento de horário até às 02:00.

De acordo com a organização, já estão inscritos cerca de 40 comerciantes, sendo que alguns não têm normalmente atividade na zona histórica.

Vão “transferir-se” para espaços que estão devolutos, contribuindo assim para uma maior dinâmica do certame, que deverá afirmar-se “como uma festa da família, que deverá permitir a atração de pessoas e clientes para o comércio local”, frisou Rogério Hilário, presidente da Associação Comercial.

Ana Moura

Ana Moura

Do programa destaca-se ainda a realização, no dia 01 de agosto, do concerto de Ana Moura (o único com bilhete), a mostra de Talentos SangriAgosto, que permitirá a apresentação de jovens músicos da região, e de um mercado de frutas e legumes com os produtores locais.

O orçamento global dos dois eventos é de 50 mil euros, sendo que cerca de 35 mil euros serão cofinanciados, cerca de 5 mil euros devem advir da receita de bilheteira do concerto de Ana Moura, pelo que a autarquia acredita que o investimento final não ultrapassará os 10 mil euros.

*Jornal de Oleiros/Lusa

 

 

Esta entrada foi publicada em Destaques, Fundão, Turismo. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *