Sindicatos querem que tribunais decidam a favor do não encerramento de escolas

LUÍS GARRA ANUNCIA EM CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

A União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB) anunciou hoje ser “muito importante” que nesta fase os tribunais decidam favoravelmente a pretensão das autarquias que intentam providências cautelares para impedir o encerramento das escolas.

Luís Garra

Luís Garra

“Sem nos querermos imiscuir nem exercer pressões sobre o poder judicial, é muito importante que os tribunais decidam favoravelmente a pretensão das juntas de freguesia e câmaras municipais que intentam providências cautelares para impedir o encerramento das escolas”, referiu o coordenador da USCB.

Luís Garra sublinhou que o Governo “irá reclamar o interesse público”, mas acrescentou que o interesse público “não é o do Governo, é o das pessoas”.

“O interesse do Governo pode ser economicista, mas não é mais do que isso”, adiantou.

O coordenador da USCB falava em Castelo Branco, numa conferência de imprensa que juntou ainda elementos do Sindicatos dos Professores da Região Centro (SPRC) e do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas do Sul e Região Autónomas (STFPRA), para dar conta das ações desenvolvidas contra o encerramento de escolas no distrito.

Escola de Colmeal da Torre

Escola de Colmeal da Torre

O sindicalista referiu também que o abaixo-assinado lançado pela USCB contra o encerramento das escolas no distrito de Castelo Branco “já ultrapassou as 2.000 assinaturas” e será posteriormente entregue aos diversos grupos parlamentares e ao Ministério da Educação e da Ciência (MEC).

“Gerou-se aqui um movimento de solidariedade com o objetivo de dar suporte e ajudar as populações e as autarquias na luta contra o encerramento de escolas. O movimento sindical procurou dar o seu contributo”, disse.

Na quinta-feira, pelas 11:00, decorre junto do MEC uma ação que envolve as autarquias e os sindicatos contra o encerramento das escolas e Luís Garra deixou um apelo para que as “autarquias do distrito se envolvam e integrem esta ação” junto da tutela.

Marta Amoroso, do SPRC, explicou que na reunião que o sindicato efetuou no dia 11 de julho com o MEC, “Nuno Crato disse que dificilmente voltará atrás” na decisão, exceto em casos muito particulares.

Nuno Crato

Nuno Crato

No distrito de Castelo Branco existem sete escolas que devem encerrar.

Nesta situação, estão a EB1 de Colmeal da Torre, EB1 de Carvalhal Formoso (Belmonte), EB1 da Erada (Covilhã), EB1 de Enxames (Fundão), EB1 de Relva (Idanha-a-Nova) e EB1 de Aldeia do Bispo e Aldeia de João Pires (Penamacor).

*Jornal de Oleiros/Lusa

 

 

Esta entrada foi publicada em Destaques, Educação. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *