António José Seguro critica Governo “anti-família e anti-natalidade”

DURANTE VISITA AO MONTE TRIGO

O secretário-geral do PS disse hoje que o Governo tem sido “anti-família e anti-natalidade”, a propósito do estudo apresentado na terça-feira para combater a baixa taxa de natalidade verificada em Portugal nos últimos anos.

António José Segurio e Armindo Jacinto

António José Segurio e Armindo Jacinto

“Não deixa de ser curioso que seja o PSD a encomendar um estudo sobre políticas de natalidade, porque se há governo anti-família e anti-natalidade, tem sido este”, disse António José Seguro, em Idanha-a-Nova.

O secretário-geral do PS falava aos jornalistas à margem de apresentação do plano municipal de prevenção contra incêndios do município de Idanha-a-Nova, que decorreu em Monte Trigo.

“Portugal é o país da Europa com a mais baixa taxa de natalidade. A primeira condição para as famílias é terem emprego e recursos financeiros. Quando se destroem empregos, como é que se pode vir falar de natalidade”, questionou o secretário-geral do PS.

António José Seguro sublinhou ainda que o emprego é a primeira condição para a natalidade e só depois os incentivos.

António José Seguro atento a toda a apresentação

António José Seguro atento a toda a apresentação

“Estamos falar [dos incentivos] de medidas pontuais e conjunturais. A questão central é a criação de emprego, isso é que dá estabilidade às famílias”, adiantou.

O secretário-geral do PS reforçou a ideia de que “vindo deste Governo, isto não deixa de ser para sorrir”.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, apelou na terça-feira a todas as forças partidárias e parceiros sociais para que haja mobilização em torno de uma estratégia nacional para uma política de natalidade, após a apreesentação pública no Porto do relatório dada comissão independente para uma política de natalidade para Portugal, encomendada pelo PSD, e coordenado pelo professor universitário Joaquim Azevedo.

O relatório “Por um Portugal amigo das crianças, da família e da natalidade”, que apresenta uma estratégia até 2035, propõe, entre outras medidas, que após o período atualmente em vigor da licença parental, a mãe possa trabalhar em ‘part time’ e receber a totalidade do ordenado durante mais um ano.

Seguro revisitou o local da plantação de uma árvore feita em setembro de 2013

Seguro revisitou o local da plantação de uma árvore feita em setembro de 2013

Redução de 1,5 por cento na taxa de IRS para famílias com um filho, que passa para 2,0 por cento no segundo filho e seguintes, isenção da da Taxa Social Única para empresas que contratem grávidas e trabalhadores com filhos até aos três anos, possibilidade de os avós deduzirem as despesas de saúde e educação que fizerem com os netos na declaração anual de IRS, redução da taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis, tendo em conta o número de membros da família, e um corte no Imposto Sobre Veículos a agregados familiares com três ou mais filhos são outras das propostas contidas no relatório.

*Jornal de Oleiros/Lusa

 

 

Esta entrada foi publicada em Bombeiros, Idanha-a-Nova. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *