…vão os anéis e nem os dedos se salvam…!

TAP

O Caso TAP está a tornar os portugueses ainda mais intranquilos.

Comparo (no comparável) a TAP a um carro Ferrari.
A generalidade dos povos não podem, nunca poderão ter um Ferrari. mas admiram-no. A TAP, para muitos portugueses é apenas um sonho, nunca viajaram na TAP nem em qualquer outra companhia. Mas vão aos aeroportos ver os aviões, ver a TAP.
Recordo-me bem, em África e em diferentes paragens do mundo, o conforto que sentia ao ver um avião da TAP.
O actual governo, insensível vende tudo, não se identificam com o sentimento nacional. Não vendem, dão, oferecem.
Este concurso está inquinado. Um único comprador desta preciosidade, permite todas as conjecturas. É inaceitável a venda e, mais ainda, a venda nestas condições.
Este governo, em breve, estará a vender os portugueses que ainda restarem.
Lamentável.
Director

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Comunidades, Destaques, Economia, Inclusão, Justiça com as tags . ligação permanente.

1 Response to …vão os anéis e nem os dedos se salvam…!

  1. Joaquim Vitorino diz:

    Concordo em absoluto Paulino Fernandes; a TAP, se for vendida, eu e muitos portugueses, vão mudar de companhia, porque a confiança, também vai mudar; os portugueses, nem fazem ideia, do que se está a passar com o património do país, só vem a público a venda da EDP, TAP,BCP, BPN, esquecem, ou não sabem, que ministérios, estão a leiloar património, ao preço de chuva, alguns são classificados, e não deveriam ser vendidos, porque pertence ao povo, que os pagou ao longo de centenas de anos. por outro lado, estão a alugar instalações, para os funcionários públicos poderem trabalhar. Quando os espertos deste país, começarem a desalojar o Estado, por falta de pagamento das rendas; os escritórios de advogados, não terão mãos a medir; o estado está a ficar, mais pobre e moribundo; coveiros não faltam, para lhe fazer o funeral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *