Conflito desnecessário, Por Mendo Castro Henriques

Conflito desnecessário ?
A política externa ‘suicida’ da Rússia

A postura agressiva da Rússia em relação aos EUA e à Europa, está a desencadear uma nova guerra fria.

Houve provocações à Rússia no Médio Oriente e na Ucrânia mas a resposta russa tem sido desproporcionada e está a conduzi-la ao isolamento.

A intervenção russa na Síria, a invasão da Crimeia, o financiamento dos partidos europeus de extrema direita , a manipulação das redes sociais a favor do Brexit e de Trump, e last but not least, os assassinatos políticos no exterior são difíceis de esquecer

A intervenção na Síria é um caso convencional de um estado patrono a defender o seu cliente.

A URSS investira na sua posição no Médio Oriente mas tudo veio abaixo desde a década de 1990 até à Primavera Árabe.

A Síria, com a crucial base naval de latakia, era o último bastião da Rússia.

Os EUA e Europa – começaram com falsa indignação em relação a Assad – como se nunca tivessem feito o mesmo. Ignoraram os interesses da Rússia e armaram rebeldes ligados ao terrorismo islâmico para derrubar um governo legal .

Na Ucrânia, os EUA encorajaram as forças da oposição a derrubar um governo legal. Uma provocação extrema. A reação da Rússia – invasão da Crimeia – foi desastrosa; deixou-a isolada e devastou a economia

As investigações sobre a corrompida Cambrige Analytica sugerem que os serviços russos manipularam as redes sociais a favor do Brexit e de Trump; a prática do assassinato político no exterior não é o resultado direto destes eventos. mas elimina a boa influência das relações com o Ocidente.

A atmosfera política está venenosa, e a Rússia retrocede aos anos 90.

Mas a situação também é triste para a Europa e EUA. Existem desafios suficientes no mundo para que mais este conflito desnecessário nos venha assombrar.

Mendo Castro Henriques

Mendo Castro Henriques

  • Mendo Castro Henriques, Colunista do nosso jornal

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Oleiros, Política Internacional com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *