EDITORIAL – As relações com Angola não estão a ser protegidas

EDITORIAL

As relações com Angola não estão a ser protegidas e, pelo contrário, estão a ser fortememte prejudicadas.

Em causa estão centenas de empresas portuguesas e milhares de trabalhadores nacionais que neste país irmão lutam pela vida.

Nem mesmo a mudança de Presidente em Angola, com a chegada democrática (até reconhecida pela UNITA), do General João Lourenço que está a dar passos fortes no sentido da democratização do país e combate à corrupção, levaram o Ministério Público português a ser sensível a tão grave problema.

Angola quer julgar ela própria o seu ex – Presidente, Eng. Manuel Vicente.

Angola, membro da CPLP tem esse direito, aliás previsto nos Estatutos desta organização a que todos os países de língua portuguesa pertencem.

Os processos podem legalmente ser transferidos.

Que quer o Ministério Público português (detentor e bem de independência face ao poder político)? Destruir uma relação histórica profunda? ver Portugal ser substituiído nas relações económicas com Angola, por países já ávidos dessa possibilidade?

Quer, sem dúvida e não tem em conta o enorme drama que está a criar.

O governo de Portugal, face a esta independência está impossibilitado de resolver o problema.

Que esperam o PS e PSD, pelo menos, para na Assembleia da República alterarem pelo menos em parte esta independência do poder judicial, em nome dos interesses superiores do paìs?

Director

Director

Paulino Fernandes

Director

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Angola, Destaques, Justiça, Opinião, Política Internacional com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *