O apelo de Macron às parcerias europeias, por Mendo de Castro Henriques

O apelo de Macron às parcerias europeias 

Estive a ler o discurso fundador do presidente francês na Sorbonne a 26 de setembro.

É alguém que sabe que os seus objetivos terão de ser partilhados para serem alcançados.

Há uma sua frase que define a atitude
“Vous vous êtes habitués à la résignation, pas moi.”

Macron quer relançar a Europa, há muito desprovida de visão de longo prazo, enfraquecida pela globalização, cheia de burocracias, excessos de regulação e processos de decisão que ora são complexos, ora exigem uma difícil unanimidade.

O Brexit e o aumento dos partidos nacionalistas anti-europeus fizeram explodir a bolha burocrática em que a Europa vivia.

Após reunir com 22 dos 27 líderes da União Europeia, Macron quer definir a Europa wur vale a pena em seis áreas fundamentais a estabelecer mediante parcerias

A chave deste novo roteiro que ele quer ver debatido até ao verão de 2018 é a Europa a várias velocidades, ou de cooperação reforçada ou de parcerias.

O que Macron chama países pioneiros podem unir-se em torno de uma política e “países que não querem não serão capazes de impedir que outros avancem” sem buscar unanimidade ou “menor denominador comum”.

Há seis áreas fundamentais de intervenção: finanças, digital, sustentabilidade, segurança e defesa, migração, e agências de integração

– Um ministro das Finanças e um orçamento específico para os 19 países da área do euro, controlado por um “parlamento do euro”.
– Um sistema de tributação das grandes empresas digitais.
– O desenvolvimento sustentável, com um “preço justo” para o carbono e programas industriais e de infraestruturas de apoio aos veículos limpos.
– Na Defesa, uma força de intervenção militar comum, um orçamento de defesa comum e uma “doutrina comum”.
– Reforçar as capacidades dos serviços de informações face ao terrorismo; uma agência europeia de proteção civil, para uma resposta mais eficaz a catástrofes naturais, euma agência europeia para os refugiados

Macron refere-se três vezes a Portugal (e à Espanha sempre em paralelo): a propósito da entrada no Mercado comum que foi também acesso às liberdades; a propósito do mercado de energia ;e a propósito da vontade de estabelecer parcerias que encontrou no governo português.

Estamos perante um discurso fundador, de um dirigente europeu do século XXI. A ser correspondido pela sr.ª Merkel, como se espera, teremos aqui um eixo de refundação da Europa que é muito necessário nos tempos críticos que atravessamos.

Macron é um estadista, não é um vulgar político democrático eleito. Já o tinha revelado e voltou a mostrá-lo neste discurso da Sorbonne. Em vez das conhecidas arrogâncias políticas, por vezes gaulesas, mostrou a vontade de definir um roteiro de cooperação e parcerias.

Entre muitos anões europeus, nomeadamente britânicos, revelou grandeza.

Mendo de Castro Henriques

Mendo de Castro Henriques

* Mendo Castro Henriques, Colunista do Jornal de Oleiros

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Opinião, Política Internacional com as tags , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *