A história de uma “fugitiva” adolescente

A NOVA CHEFE DE COZINHA DA TASKA DA TI LURDES

Fugiu de Angola aos 14 anos de idade. Era tempo de guerra civil, na antiga colónia portuguesa e os pais preocupados com a sua segurança enviaram-na para Portugal na companhia de uma irmã. Já lá vão muitos anos. Nunca reviu o pai, já felecido, nem nunca voltou à terra que a viu nascer. A mãe, também já falecida, chegou a vir vê-la mas pouco tempo por cá ficou. Falamos de Madalena Chilonbo Martinha, chefe de cozinha da Taska da Ti Lurdes, mais conhecida por Mada.

Chegada a Lisboa no conturbado ano de 1975, Madalena, ficou na capital durante algum tempo até vir para a Beira Baixa e se instalar em Alcains. Atualmente reside em Castelo Branco.

José Rosário e Madalena

O pai era cozinheiro e talvez por isso, já lá vai tanto tempo, Madalena iniciou um percurso profissional na área da restauração. Autodidata, Mada, como gosta que a tratem, subiu na vida, a pulso. Passou por diversos estabelecimentos, Restaurante Sto. António e Restaurante das Piscinas em Alcains, Churrasqueira Portugal, na Carapalha em Castelo Branco. Esteve desde a abertura, juntamente com José Rosário, na Quinta da Bigorna, onde se manteve cerca de cinco anos. Agora e depois de frequentes convites veio finalmente trabalhar com o seu antigo colega, hoje empresário de restauração e proprietário da Taska da Ti Lurdes.

Dedicatória de cliente

Pelo caminho procedeu à certificação de competências, no Nercab, através do programa Novas Oportunidades. Aliás é com reconhecido e justificado orgulho que mostrou ao diretor-adjunto do Jornal de Oleiros o dossier do curso que lhe atribuiu essa certificação.

Madalena é hoje uma reconhecida cozinheira, autora do já famoso Bacalhau à Madalena e pratos de origem africana, como a Moqueca de Camarão, Moamba de Galinha e a muito cabo-verdiana Cachupa.

Durante a conversa com o jornalista, nota-se uma cumplicidade entre Madalena e José do Rosário. O objetivo desta sinergia entre os dois é colocar, ainda mais, a Taska da Ti Lurdes na ordem do dia.

Afável no trato, Madalena, deixa transparecer um brilhozinho nos olhos, quando fala da paixão que significa para ela a cozinha, a confeção de iguarias e a satisfação quando sente que os clientes, alguns já amigos, saem deliciados depois de degustar as iguarias que prepara com tanto carinho e amor.

Agora na Taska da Ti Lurdes, os “petiscos” de Mada podem e devem ser seguidos de uma sobremesa, das quais salientamos o Bolo Bolacha, o Semi-Frio de Nougat ou a Tarte Gelada de Manga, acompanhados de um bom vinho da excelente garrafeira que José Rosário gere com alma e sabedoria.

Uma visita à cidade albicastrense passa, obrigatoriamente, por esta casa situada bem no centro da urbe, na rua Dadrá.

Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Economia. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *