Um bem-haja cívico à autarquia albicastrense…

SOBRE ARISTIDES DE SOUSA MENDES:

Um bem-haja cívico à autarquia albicastrense…

Eis que esta semana, via Internet, me chega a notícia pela imprensa de Castelo Branco: “Povo da Beira“, de 13 de Maio de 2014, “Gazeta do Interior“, de 14 de Maio de 2014 e “Reconquista”, de 15 de Maio de 2014, duma homenagem no passado dia 9 de Maio a Aristides de Sousa Mendes, em Castelo Branco, tendo a participação da Câmara Municipal, do Centro Social Padres Redentoristas, do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva e do Agrupamento de Escolas Amato Lusitano, que se associaram à Fundação Aristides de Sousa Mendes, a qual lançou um desafio a nível nacional para uma comemoração por ocasião dos 60 anos data da sua morte. É com grata surpresa que vejo, de alguma forma, acolhida uma proposta que fiz no espaço público em 1998. Por isso este é um texto de agradecimento e de apelo à memória. Agradecimento ao senhor Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco,

Aristides de Sousa Mendes

o Dr. Luís Manuel Correia, por estar envolvido nesta homenagem a Aristides de Sousa Mendes e à sua mulher Angelina, com o memorial que esta semana se inaugurou, nada menos que, no Centro Cívico da nossa cidade de Castelo Branco, o local proposto por mim para a colocação de uma estátua em sua homenagem e cito da minha proposta publicada no jornal “Reconquista”, em 6 de Novembro de 1998: “a edificação duma estátua na cidade de Castelo Branco a Aristides de Sousa Mendes, a situar-se (…) no local do futuro Centro Cívico, como símbolo de uma cultura de tolerância e respeito mútuo, que estou certo, aspiramos que seja a bandeira (futura) da “polis” Albicastrense”. Não houve estátua, nem rua (ou Avenida) como propusera, mas um memorial no local por mim sugerido. Apelo à memória… Estávamos no ano de 1998, quando tomei a iniciativa de propor aos órgãos autárquicos albicastrenses, dirigindo-me aos respectivos presidentes: ao Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco (Joaquim Morão, então no seu primeiro mandato, era seu vereador o Dr. Luís Correia), ao Presidente da Assembleia Municipal de Castelo Branco (o saudoso Dr. Manuel João Vieira) e ao Presidente da Junta de Freguesia de Castelo Branco (o também já falecido Clemente Rosa Mouro), se bem que o principal destinatário era a Câmara Municipal, porque era quem no caso tinha poder decisório sobre a proposta. Enviei uma carta a cada um dos órgãos eleitos em finais de Outubro de 1998 e dias depois publiquei o seu conteúdo em carta aberta na imprensa local (“Reconquista”),

publicado no dia 6 de Novembro de 1998 (texto republicado no meu livro “Manifestos contra o medo: antologia de uma intervenção cívica”, Castelo Branco: Casa Comum das Tertúlias, 2011) e levei o assunto a uma sessão da Assembleia Municipal de Castelo Branco em Dezembro de 1998, sendo a proposta notícia na imprensa local, num texto assinado pela jornalista Paula Nogueira na “Gazeta do Interior”, a 24 de Dezembro de 1998. Na referida sessão da AMCB pedi a palavra como cidadão, no espaço previsto no regulamento da AMCB, lançando a proposta que Castelo Branco fizesse uma homenagem a um herói português, ainda desconhecido à época por muitos, Aristides de Sousa Mendes, o Cônsul de Bordéus, um Humanista que arriscou a cabeça para salvar muitos milhares perseguidos pelos nazis. Na mesma sessão da AMCB foi feita outra proposta de um monumento ao… Milénio… ao Tempo, portanto, essa rapidamente concretizada em forma de rotunda, uma das maiores da cidade numa das saídas para Lisboa. Ou seja, acharam prioritário, mais interessante homenagear algo abstracto, algo impessoal, como o Tempo do que uma personalidade que não foi herói pelos muitos inimigos da Pátria a que tirou a vida, mas pela sua assinatura e coragem por via da qual deu nova vida a muitos milhares de pessoas… prioridades! Foram passando os anos e fui lembrando à autarquia a proposta… Em Fevereiro de 2000 publiquei um artigo no n.º 19 da revista Raia dedicado a Aristides de Sousa Mendes. (“Manifestos contra o medo”) Em 1 de Março de 2001 lembrei à autarquia a minha proposta e perguntava sobre o ponto da situação da mesma… fiquei sem resposta. (“Manifestos contra o medo”) Aproveitando que em Novembro de 2008 a CM Castelo Branco, com as autarquias de Belmonte, Fundão e Covilhã, promoveram uma quinzena cultural de homenagem a ASM, em 28 de Dezembro de 2009 voltei a colocar a questão numa sessão da AMCB… Em 2010 voltei à carga, escrevendo ao Presidente da CMCB Joaquim Morão para saber o ponto da situação… e, surpresa! Só então o assunto iria ser levado à Comissão Toponímica… pois apesar do bom acolhimento na AMCB de 1998… não teve seguimento! Em 3 de Fevereiro de 2012, em Castelo Branco, no Bar Património, na tertúlia onde foi feito o lançamento do meu livro “Manifestos contra o medo: antologia de uma intervenção cívica”, aproveitando a presença do então vereador da CMCB, o Dr. Luís Manuel Correia, voltei a lembrar a proposta… mais uma vez não manifestando muito interesse no assunto ou desejo de levá-lo avante… passam dois anos… a surpresa chega-me pelos jornais! Refiro que a minha proposta é do conhecimento da família de ASM, nomeadamente de António Moncada de Sousa Mendes, desde Agosto de 2010. Por fim, na qualidade de professor, profissão que exerço desde 2000, quero referir a preocupação sempre manifestada junto dos meus alunos, em geral do 2.º ciclo do ensino básico, fosse nas aulas de História e Geografia de Portugal, em Língua Portuguesa ou em Formação Cívica, de dar-lhes a conhecer o exemplo de ASM, fosse no contexto do Dia dos Direitos Humanos, do Dia Contra a Racismo, do Dia Contra o Antissemitismo ou sobre o Estado Novo… através de trabalhos escolares, seja levando livros sobre ele para as aulas para os alunos terem essa referência de leitura,

seja emprestando livros sobre ASM para que os alunos o conhecessem ou ainda recorrendo a uma exposição bibliográfica sobre este herói português que organizei na biblioteca escolar do Agrupamento de Escolas Elias Garcia em 2011… nos meus primeiros anos de docente o seu nome não era referido nos manuais escolares de 6.º ano de História e Geografia de Portugal, se bem que a situação mudou nos últimos anos, passando também os manuais de Educação Moral e Religiosa Católica a fazer referências a ASM. Um comentário final… nada tenho, antes pelo contrário, contra o bom acolhimento por parte da Câmara Municipal de Castelo Branco relativamente à quinzena cultural promovida em 2008 e esta iniciativa lançada pela F. Aristides de Sousa Mendes a que se associou a autarquia albicastrense… apenas lamento que a minha proposta de dar um nome a uma avenida (esqueçamos a alternativa da estátua, bem mais dispendiosa) em Castelo Branco, nunca tenha visto a luz do dia… será tão grande a lista de espera que a Comissão Toponímica de Castelo Branco tem nas suas mãos… ou o problema não é da proposta em si (já que a CMCB se tem associado a homenagens a este diplomata humanista), mas do originário da proposta? O autor deste texto!?

*Por: Luís Norberto Lourenço Professor de Língua Portuguesa como Língua Estrangeira em Guadalajara (México).
16 de Maio de 2014
Esta entrada foi publicada em Comunidades, Destaques, Memórias. ligação permanente.

Uma Resposta a Um bem-haja cívico à autarquia albicastrense…

  1. Joaquim Vitorino diz:

    Há muito que o nosso país deve, uma verdadeira homenagem a este Grande Homem, que nasceu dotado de uma Estatura Moral sem procedentes, e que deixou marcas sublimes de Grande Filantropo e Humanista; o bem que fez custou-lhe caro, e ele sabia-o; mas não pensou duas vezes; salvando milhares de Crianças e Adultos do ódio racista e da intolerância; Aristides de Sousa Mendes foi dos mais Nobres dos portugueses; que se faça Justiça à sua Memória, que já não é sem tempo. Bem Haja.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *