“ICEBERG” – A hipocrisia do ministro

   A Hipocrisia do Ministro

“Icebergue”

O ministro alemão da economia que também é Vice-Chanceler; manifestou uma grande preocupação com a emigração portuguesa que está a despojar o nosso país, de uma casta de licenciados que, seriam indispensáveis para ajudar Portugal na recuperação económica. É a hipocrisia elevada ao limite; então o Sr. Vice-Chanceler não sabe que o principal culpado, e quem tira mais benefícios desta situação é a própria Alemanha, que absorve grande parte da mão de obra especializada, acabadinha de sair das nossas Universidades e Institutos Politécnicos, a custo zero para eles porque foram formados, com o dinheiro que nos emprestam a juros altíssimos; utilizando o seu estatuto de uma economia forte que vão alimentando com a crise que provocaram aos parceiros do Sul, para resolver os graves problemas da banca alemã e também da francesa, que alinhou ao lado da Alemanha contra os gregos, irlandeses, italianos, portugueses e espanhóis, que estão a pagar a pesada fatura da “crise” deles, cuja fatura imputaram aos países do Sul? Passos Coelho agradeceu recentemente aos parceiros Europeus, a ajuda que nos deram para concluirmos o programa, que diz ter chegado ao fim; compreendo Passos Coelho, mas quem nos devia agradecer seria a Alemanha e também a França, pois somos nós que estamos a pagar a falência da banca nos seus países que teve início em 2008, e que arrastou os países do Sul da Europa para a catástrofe. Os portugueses têm que deixar de ser os “bobos” da corte dos países ricos da Europa; o que só acontecerá, quando Portugal for assolado por uma grande vaga de patriotismo sem o qual, nunca mais vamos sair da crise que tanto preocupa o Sr. Vice-Chanceler da Alemanha; é que os portugueses são pobres e incultos, mas não são estúpidos; por isso o seu triste papel de carpideiro nós dispensamo-lo, porque não faz o mínimo sentido; guarde as suas falsas lamentações, que os portugueses não precisam delas; como dizia o Rei de Espanha em 2007 “, por qué no te callas”; porque não te calas. Portugal continua a ser alvo de ameaças, sendo nossa a inteira culpa; a proximidade de eleições levou ao abrandamento da austeridade, que não é compensada com a redução na despesa; os credores já avisaram o governo, que o país vai direitinho a um segundo resgate se não for cumprido o défice de 2,5%. O Primeiro-Ministro, a quem reconheço honestidade e algum patriotismo; não deve ceder a pressões do parceiro da coligação, que já deu provas de que o populismo é a sua arma, na captação dos votos dos reformados e ignorantes. Passos Coelho tem demonstrado coragem na aplicação de impostos; o mesmo não posso dizer quanto ao corte nas despesas; neste momento recuar nas medidas, levaria o país a uma crise pior que a anterior; porque iria perder a confiança dos mercados que quer queiramos quer não, são eles que ditam as regras; que não restem dúvidas.

* Joaquim Vitorino – Bombarral, Colunista Especializado do Jornal de Oleiros, Sub-Director do Jornal de Vila de Rei.

 

Joaquim Vitorino

 

 

Jornal de Oleiros   “Coluna Iceberg”

OBS: Artigo escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Opinião. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *