Malpica do Tejo recorda Zeca Afonso

HOMENAGEADO NO DIA DO TRABALHADOR

Com a presença de largas centenas de pessoas a Junta de Freguesia de Malpica do Tejo em colaboração com a Câmara Municipal albicastrense e a Associação José Afonso organizaram e levaram a cabo, hoje dia 1 de maio, Dia do Trabalhador, o 1º Festival José Afonso que contou com a presença de inúmeros artistas, Orfeão de Castelo Branco, grupos de bombos e do sobrinho de Zeca, João Afonso.

O busto de Zeca Afonso

A festa começou com um almoço popular, seguido da inauguração do busto do artista, concebido e executado pelo escultor Caetano Ferreira, que afirmaria estar “muito orgulhoso de ter participado nesta homenagem”.

Este foi o momento para José Manuel Galvão, presidente da Junta de Freguesia local afirmar que “esta é uma justa homenagem ao grande Zeca Afonso”, para logo de seguida acrescentar que “esta homenagem é também um agradecimento do povo de Malpica ao homem que imortalizou alguma das suas canções”.

Já João Afonso, sobrinho do homenageado, agradeceu o trabalho de Caetano Ferreira, e começaria por afirmar “não sou nada de discursos”, não deixando, no entanto, de referir que “vou falar com o coração”, para logo de seguida colocar uma carga emocional nas suas palavras. “Nunca falei com a estátua do meu tio, José Afonso, defronte de mim”, disse, para agradecer a terminar “aos malpiqueiros, ao povo de Malpica, com quem o meu tio partilhou canções, trabalhou canções e sei que ele tinha estima e uma enorme admiração por este povo”.

Luís Correia, José Manuel Galvão e João Afonso

Recorde-se que José Afonso recolheu presencialmente em Malpica do Tejo, no final da década de 60 do século passado, quatro cantigas do cancioneiro popular da Beira Baixa, “Maria Faia”, “Oh que calma vai caindo”, “Lá vai Jeremias” e “Moda do Entrudo”.

Já Luís Correia, presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco enalteceu e agradeceu o excelente trabalho da autarquia de Malpica, na pessoa do seu presidente, José Galvão, ao organizar este primeiro festival José Afonso, “que espero seja o primeiro de muitos”, disse o autarca.

Luís Correia afirmou que “para além de estamos aqui a homenagear Zeca Afonso, estamos também a homenagear as nossas gentes. José Afonso veio aqui beber aquilo que é o nosso património imaterial”, para logo de seguida afirmar “que as nossas freguesias já deram aquele salto, já fizeram o material, as calçadas, os centros sociais, os centros de dia e já estão a valorizar o nosso património imaterial”.

Grupo de bombos Chibatas

Depois foi a vez da música, que culminou com uma grande prestação de João Afonso, não fosse ele sobrinho do grande Zeca e colocasse toda a emoção na recordação de algumas das canções do inúmero repertório do saudoso autor de Grândola, Vila Morena.

Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *