Município realiza 1º curso de religiosidade popular

IDANHA-A-NOVA

Decorreu durante a sexta-feira Santa, o primeiro Curso Livre sobre Religiosidade Popular, organizado pela Câmara Municipal de Idanha-a-Nova.

 

Curso de religiosidade

O curso decorreu ao longo de todo o dia, com a manhã dedicada a palestras e a tarde e noite focadas no acompanhamento das celebrações pascais.

O Centro Cultural de Idanha-a-Nova acolheu as palestras, que contaram com a presença de prestigiadas personalidades no domínio da religiosidade popular. Presentes, estiveram, David de Morais, professor da Universidade de Évora, Angel Cerrato Alvarez, professor da Universidade Complutense, de Espanha, Clara Bertrand Cabral, da Comissão Nacional da UNESCO e o historiador e investigador António Catana, coordenador do projeto “Mistérios da Páscoa em Idanha”.

Comparando Idanha-a-Nova a uma “ilha encantada”, António Catana defendeu que a preservação das tradições quaresmais e pascais naquele concelho deve-se, em grande medida, à ação das nove misericórdias, chegaram a existir 11, das oito comendas e oito castelos templários, e dos dois conventos franciscanos.

 

Momento de uma das refeições

Seguiu-se a visita aos locais de realização dos rituais religiosos, onde foi possível acompanhar algumas das tradições da Sexta-Feira Santa no concelho de Idanha-a-Nova.

Desde a Adoração da Santa Face na Igreja da Misericórdia de Proença-a-Velha, a Via Sacra pelas ruas de Monsanto, a Procissão do Enterro do Senhor com representação cénica da Verónica e cântico das Três-Marias em Proença-a-Velha e a Encomendação das Almas em Idanha-a-Nova, foram muitas as manifestações de piedade popular presenciadas.

Também as refeições do dia respeitaram a temática do curso. Ao almoço recriou-se a “Ceia dos 12” segundo o receituário popular de Alcafozes, e ao jantar os participantes saborearam a “Ceia dos 12” conforme o receituário popular de Segura. As ritualidades alimentares foram explicadas por Vasco Valadares Teixeira, do Instituto das Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Refira-se que as celebrações quaresmais e pascais são para o Município de Idanha-a-Nova um importante património histórico-cultural que interessa valorizar enquanto fenómeno criador de identidade e de desenvolvimento sustentado.

Esta entrada foi publicada em Destaques, Idanha-a-Nova. ligação permanente.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *