Município propõe adesão à Rede de Judiarias de Portugal

EM MEDELIM, IDANHA-A-NOVA

A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova propôs a adesão deste município à Rede de Judiarias de Portugal, de modo a potenciar a defesa do património urbanístico, arquitetónico, ambiental, histórico e cultural relacionado com a herança judaica.

O anúncio foi feito pelo presidente do município, Armindo Jacinto, no colóquio “Uma Festa, Duas Culturas”, integrado no evento Páscoas Judaica e Cristã que decorreu este fim-de-semana em Medelim.

A Rede de Judiarias de Portugal – Rotas de Sefarad foi fundada em 2011 e pretende conjugar a valorização histórica e patrimonial com a promoção turística, uma estratégia que “faz todo o sentido num concelho que tem influências das culturas judaica, cristã e islâmica”, referiu Armindo Jacinto.

Rede de Judiarias de Portugal

Em representação da Rede de Judiarias, o rabino de Belmonte enalteceu a proposta de adesão de Idanha-a-Nova àquela organização, composta por cerca de duas dezenas municípios e ainda entidades de turismo e comunidades judaicas.

As aldeias portuguesas podem oferecer aos turistas momentos de fortalecimento da família judaica, porque têm condições riquíssimas sob o ponto de vista popular e histórico. A vivência que aqui se encontra não existe nas grandes cidades do mundo”, afirmou Elisha Salas.

O rabino de Belmonte sublinhou que “há cada vez mais gente de Israel e do resto do mundo a visitar Portugal”, fruto do trabalho realizado pela Rede de Judiarias, mas também da crescente oferta de produtos alimentares kosher.

A Câmara de Idanha-a-Nova tem feito um investimento forte na temática judaica, trabalhando em estreita colaboração com a Junta de Freguesia de Medelim, aldeia onde é mais profundo o legado daquela comunidade.

Segundo o presidente da Junta de Freguesia de Medelim, Albano Pires Marques, “a aldeia tem ainda muitos tesouros por explorar”, pelo que o apoio da Câmara de Idanha-a-Nova “é fundamental para a continuidade da investigação”.

Nos últimos anos tem sido feito um levantamento do património arquitetónico e urbanístico associado à presença judaica no concelho, o qual poderá vir a dar origem a um centro de interpretação da arquitetura judaica.

O colóquio “Uma Festa, Duas Culturas” contou com uma intervenção de José Afonso, arquiteto que tem investigado indícios associáveis ao judaísmo, criptojudaísmo e cristãos-novos no concelho de Idanha-a-Nova.

Esta entrada foi publicada em Destaques, Idanha-a-Nova. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *