INQUIETUDE – Heróis do mar

Inquietude

Heróis do mar

                                                                                

“Heróis do mar, nobre povo,

Nação valente imortal,

Levantai hoje de novo

O esplendor de Portugal!”

Assim começa a Portuguesa, hoje o Hino Nacional Português.

Ao ler ou ouvir estes versos, lembro-me sempre da grande epopeia em que se transformaram os descobrimentos portugueses.

Ao reler a história pergunto-me o que levou este povo a enfrentar o mar, então desconhecido e perigoso, levando Portugal a todos os cantos do mundo. Certamente uma alma nobre, qual nação imortal.

Hoje, alguns séculos depois, interrogo-me qual será o nosso futuro, nesta Europa secular, pioneira dos mais altos valores humanistas, solidários e porque não fraternos. Uma Europa em crise. Crise económica, mas essencialmente de valores.

Seremos nós capazes de encabeçar um movimento dos países periféricos, tendente a revolucionar este estado de coisas?

Acredito que tal seja possível!

Para que tal possa passar de mera especulação político-ideológica se torne uma hipótese viável é necessário que Portugal, os portugueses assumam essa vontade e encontrem neste paradigma, o estímulo, a razão, mas essencialmente a vontade de transformar esta apatia, que parece reinar na sociedade, que o atual estado de coisas é uma inevitabilidade. Necessitamos que os portugueses comecem a acreditar que podemos voltar a ser grandes. Com emoção mas também com inteligência.

Levantai hoje de novo o esplendor de Portugal”, assim diz o hino português!

Navio Escola Sagres

 Com coragem, com perseverança, com o futuro e a esperança no horizonte. Em nome dos nossos filhos e netos!

E esse novo começo está aí à porta, 25 de maio e as eleições Europeias.

Fomos os primeiros a dar um passo naquilo que hoje em dia se tornou o normal no nosso quotidiano, a globalização.

Não a globalização no estrito sentido económico. Essa só interessa aos grandes grupos económicos e financeiros e aos especuladores!

Novos mundos...

 Globalização no sentido mais lato do termo. Globalização da solidariedade, da fraternidade, da igualdade, da liberdade.

Não será fácil! Pois não!
Alguém ousaria pensar que este povo português seria capaz de descobrir tantas e tantas terras desconhecidas e abrir as portas do mundo ao Mundo? Fomos!

Nada será mais gratificante para um povo que criar um país de dimensão global.

Já o conseguimos uma vez, porque não outra? Parece mais difícil do que realmente poderá ser!

“Saudai o Sol que desponta
Sobre um ridente porvir;
Seja o eco de uma afronta
O sinal do ressurgir.
Raios dessa aurora forte
São como beijos de mãe,
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injúrias da sorte.”

  

...olhar o futuro

 * INQUIETUDE, Coluna de opinião do Director-Adjunto, José Lagiosa, às 5ªas feiras.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *