“Contra o desprezo a que foi votado o interior do país”

ASSINADO PROTOCOLO ENTRE PROENÇA-A-NOVA E LISBOA

Presentes muitos empresários do concelho

Foi inaugurado na passada sexta-feira, dia 4, no parque empresarial de Proença-a-Nova (PEPA),a incubadora de empresas seguida da cerimónia de assinatura do protocolo de cooperação, entre as Câmaras de Proença-a-Nova e de Lisboa, que contou com a presença dos presidentes das duas autarquias, João Paulo Catarino e António Costa, e que se traduz, desde já, no projeto Start Up INOVA Proença, que procura aproveitar as melhores práticas seguidas em starups de referência, nomeadamente a de Lisboa, fundamentalmente no que respeita ao apoio a projetos empresariais em fases de pré-existência, mas também replicar essa receita de inovação e transformação em projetos empresariais já existentes e perfeitamente estabilizados.

Estão identificadas, entre áreas de atividades a valorizar, a floresta, a agricultura, a agro-indústria, a pecuária e o turismo de lazer. Não são áreas exclusivas, são centrais para a estratégia que se pretende ver desenvolvida.

São muitas as perspetivas de atuação, desde logo, consultoria especializada, assessoria técnica e comunicação e imagem, entre outras.

Tudo isto foi explicado no início da cerimónia por Nuno Leitão, responsável pelo desenvolvimento do projeto Start Up INOVA Proença e que resumiu dizendo que se pretende “valorizar os recursos económicos de Proença-a-Nova”.

Momento da assinatura do protocolo

Após a assinatura do protocolo, João Paulo Catarino, presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova realçou a importância deste protocolo e o que ele significa para o desenvolvimento do concelho de Proença, nomeadamente a nível de emprego: “Se temos emprego, temos pessoas e temos riqueza; se não tivermos emprego, não teremos pessoas nem geraremos riqueza”, disse.

Mas João Paulo Catarino foi mais longe e referindo-se ao governo, afirmou “A sensação com que vivem diariamente os autarcas do interior é que um dia destes um membro qualquer deste Governo nos entre pela porta dentro e diz-nos: – Nós não temos dinheiro para vos manter aqui no interior – Mudem-se”.

Depois de enaltecer o “excelente trabalho realizado pelo presidente António Costa” e definir a importância e o dinamismo de Lisboa enquanto concelho, o autarca de Proença afirmou que “Proença-a-Nova está nas antípodas de tudo isto. Ou seja há um mundo inteiro que nos separa, mas existe um elemento que nos une. O Dr. António Costa”, para, de seguida, concluir “A presença do meu amigo aqui, entendemo-la também como um estímulo e apoio à nossa resistência contra o desprezo a que foi votado o interior do país”.

Por seu lado o presidente da edilidade lisboeta, António Costa, manifestou a ideia de que hoje a prioridade de todos os municípios, é necessariamente, a de gerar empregos e riqueza.

António Costa manteve vários contatos

Temos de ser capazes de ser competitivos”, afirmou o autarca da capital, para logo de seguida acrescentar que “Lisboa tem de ser uma porta para as empresas do país”.

Acabaria a realçar a grandeza do espaço disponível: “e quando vejo estes 29.000 metros quadrados que aqui estão, interrogo-me de facto, como é que temos rapidamente de conseguir unir esforços. Porque nós podemos ter gente mas, infelizmente, não temos 29.000 m2 disponíveis para desenvolver os projetos e iniciativas que muita gente, em Lisboa, gostaria de desenvolver”.

Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia, Proença-a-Nova. ligação permanente.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *