“Crónicas de Lisboa”, Avô, é um Pai em segunda mão?

“Crónicas de Lisboa”

Avô,  é Um Pai em Segunda Mão?

Por estes dias, celebra-se o Dia do Pai (19 de Março), embora apenas alguns tenham o privilégio de poderem experienciar essas vivências, porque as sociedades desenvolvidas vivem numa crise de natalidade, sendo acentuada no nosso país, fazendo perigar o nosso próprio modelo socioeconómico e a “raça lusitana”. A II Grande Guerra Mundial (de que o nosso país se safou), provocou uma razia na população dos países beligerantes, mas as melhorias socioeconómicas posteriores, geraram um “baby boom”, fazendo crescer a população da Europa até números nunca antes vistos. Mas o bem-estar adquirido, levou as pessoas a interessarem-se por outros valores que não a família e, desse modo, a população europeia começou a diminuir, só atenuada pelos imigrantes que, ávidos de atingirem o paraíso do desenvolvimento e do bem-estar, arriscam a própria vida nessas epopeias na travessia dos desertos e dos mares circundantes duma Europa que, apesar da crise de que todos nos queixamos, continua a representar o céu para os milhões que nada têm a não ser a pobreza, as doenças, as guerras, etc.

Pobre deste mundo tão fortemente desequilibrado e injusto, cujos líderes se entretêm em guerras palacianas ou fomentando e alimentando guerras reais, locais e regionais. Dói a alma, ver, via imprensa, os horrores e os dramas humanos, com maior dor porque vitima os mais frágeis (as crianças, os idosos e as mulheres). São crianças, por vezes geradas já no leito das guerras e dos ódios e às quais é negada uma vida própria de criança, mesmo sem as extravagâncias e os luxos das crianças dos países ricos. Ricos, materialmente falando, mas nos quais outros valores se foram perdendo e neles muitos “crimes” são cometidos sobre as crianças, seja por carências, omissões ou excessos, porque estes podem fazer tanto mal como as carências. Criamos, assim, pequenos monstrinhos a quem cedemos e damos tudo, menos os afectos, a educação e o amor, porque também nós, de geração em geração, nos tornámos mais frios, mais materialistas e mais ausentes na educação dos nossos filhos.

Tardam os nossos governantes em acertar nas medidas de incentivo à natalidade, olhando mais o problema na óptica da sustentabilidade financeira do sistema da Segurança Social (SS), isto é, o problema económico e financeiro e que coloca também em causa o modelo da nossa sociedade, porque a queda da natalidade não gera novos trabalhadores e contribuintes para a SS e financiarem as reformas dos actuais e futuros pensionistas, mas também decrescem os consumidores e os contribuintes. São inegáveis aquelas premissas, mas o problema do decréscimo da natalidade é mais grave do que a questão da sustentabilidade e sobre isso, o silêncio é total, isto é, a alteração contínua e inexorável da estrutura etária da nossa população, devido ao aumento contínuo da longevidade, graças à medicina e outras ciências, enquanto a natalidade decresce dramaticamente. Por cada criança portuguesa há, cada vez mais idosos e estes indicadores não chegam a ser compensados pelos imigrantes que arribam ao nosso país e também vemos partir os nossos jovens, em idade fértil.

A renúncia à natalidade está há muito instalada: “porque hei-de querer um filho se, em vez disso, posso fazer muitas outras coisas, para além do dinheiro envolvido?” Assim, vão dando desculpas “mentirosas”, e muitos consideram-se “vítimas”, como se alguma vez na história da humanidade se tenha vivido tão bem. Outros, assumem que não querem nem sentem a vocação para essa sublime realização humana, mas esquecem-se que se os seus pais tivessem agido assim, eles não fariam parte deste mundo e, como tal, não gozariam as benesses que a sociedade lhes proporciona. Esta sim, é a principal causa, porque as alternativas a ter um filho, criá-lo, educa-lo, etc, são imensas. Os pais criam a vida, ou colaboram na sua criação e a sua matéria-prima são os seres humanos. Geram os filhos, alimentam-nos, fornecem-lhes apoio e protecção, ensinando-lhes as normas para viverem no mundo e ajudando a concretizar as suas potencialidades. O papel do pai e da mãe é a arte mais bela de todas as artes, pelo que custa a entender a renúncia a algo tão belo e indescritível. Obviamente que há muitos senões na maternidade e paternidade, mas nem esses deveriam levar os adultos a desistirem desses papel tão natural como viver. A prática de “filho único” é uma realidade no nosso país há várias gerações, principalmente nos meios citadinos, mas agora reforçada por “zero filhos” de muitos casais, pelo que este nível da natalidade não garante a continuidade de muitas famílias, desaparecendo estas nas gerações seguintes. Não surpreende, assim, que aumente o número de idosos que morrem em total solidão e profundo abandono e que alguns nem tenham um familiar que lhes faça o funeral! Quem vai cuidar de nós, os avós, de facto, ou apenas os velhos? Este sim é um dos verdadeiros dramas da nossa sociedade , porque nos arriscamos a sermos abandonados, ademais porque os valores que incutimos nos nossos descendentes também não ajudam a alterar as condições actuais e futuras.

Diz o ditado popular que um homem se realiza quando, planta uma árvore, escreve um livro e tem um filho, embora haja outras vias de realização pessoal, mas estas deveriam ser complementares da paternidade. Felizmente para mim, fui pai e agora sou um “pai em segunda mão” e na “avosidade” posso continuar uma tarefa semelhante à paternidade, embora no papel de avô. Agora com outras mais-valias, embora também com outras dificuldades, nomeadamente capacidades físicas e as diferenças ocorridas nas gerações, mas é profundamente maravilhoso e de indescritível realização humana, ver e participar no crescimento e desenvolvimento dos netos e com eles reaprendermos a (re) viver. Pode ser um regresso a uma viagem passada e entusiasticamente vivida com os nossos filhos, agora noutros “filhos”, mas sangue do nosso sangue. Nessa dádiva, poderemos reencontrar os tesouros escondidos nas banalidades e superficialidades em que, muitas vezes, nos deixámos mergulhar, e reescrever a nossa história e (re) abrirmos-nos à felicidade neste nosso final de vida. Nesta celebração especial (Dia do Pai), dizem uns: “obrigado pai, por me teres gerado e criado “. E os avós dirão: “obrigado filho, pela alegria de poder ser avô”, porque com as crianças, aprendemos e descobrimos o amor, a inocência e a beleza humana, porque belo é este milagre da natureza humana. Por esta ternura, vale (u) a pena viver e este amor vale mil anos de fadigas e de sacrifícios. Dúvidas? O amor aos filhos e depois aos netos dá um sentido àquilo que, de outro modo, seria um vazio. Por mim, se não fosse pai e avô, não seria um “homem rico” e, neste dia e sempre, não esqueço também o meu pai, que há muito partiu. Para ele o meu : “Obrigado Pai”

* Serafim Marques, Colunista do Jornal de Oleiros

Serafim Marques

Economista

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques. ligação permanente.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *