“ICEBERG”, Sombras no país do sol – Coluna de opinião de Joaquim Vitorino

SOMBRAS, no PAÍS do SOL

Icebergue

Muitas foram as injustiças cometidas em Portugal ao longo dos tempos.

As épocas de crise são um campo aberto ao caminho para grandes atropelos aos direitos mínimos exigíveis num estado democrático; muitos países limpam as feridas com a opressão social exercida contra os próprios cidadãos que votaram numa constituição, que os prometeu defender.

O aumento do crime em Portugal tomou proporções alarmantes, uma consequência do desemprego e cortes nos salários e pensões, divórcios e desarticulação de milhares de famílias com os idosos a pagarem a fatura mais pesada, a braços com uma infinidade de problemas, onde frequentemente são confrontados com uma terrível situação; os filhos desempregados, os netos por criar, e os cortes sucessivos nas magras reformas.

Nada justifica que em simultâneo o país se endivide e deixe os seus entregues à fatalidade.

Recentemente foram perdoados mais de um milhão de euros a um ex-banqueiro por falta de celeridade da justiça, ou porque os mais de 150.000 euros que recebe de reforma, são mais que suficientes para a manipular, através de advogados astutos pagos a preço de ouro, deixando o nosso país numa situação vexatória, perante o olhar do exterior; que vê no nosso sistema judiciário uma vergonhosa assimetria social; aquele banqueiro que durante anos foi caixa de um pequeno banco na baixa de Lisboa, é um caso entre milhares que catapultaram o nosso país, para a cauda dos mais desiguais de toda a Europa.

Na última manifestação das forças de segurança, que com toda a legitimidade mostraram ao país, o seu desagrado pela política de empobrecimento com que os responsáveis estão a traçar o rumo do nosso país, em nome de uma austeridade que ninguém consegue compreender a quem serve; porque em todos os países do norte da Europa já não se fala de crise, enquanto os nossos parceiros do sul também estão a sair dela.

Os polícias mostraram um elevado grau de maturidade e educação, tendo em conta os motivos da concentração que são os miseráveis salários que recebem, em que muitos afirmaram publicamente com as lágrimas nos olhos, não terem comida para dar aos filhos, o que me deixou verdadeiramente sensibilizado, e com um sentimento de revolta.

Portugal está “minado” por sombras cada vez mais ameaçadoras sobre a nossa sociedade, e os caminhos estão a apresentar-se cada vez mais estreitos e difíceis; o nosso futuro coletivo está cada vez mais nebuloso, deixando-nos na dúvida  para onde nos estão a empurrar.

J. Vitorino, Colunista do Jornal de Oleiros

PS: Espero que o Conselho Superior de Magistratura, apure toda a verdade sobre o caso do banqueiro que acima referi; no mínimo, os portugueses merecem isso.

Joaquim Vitorino

 

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Opinião. ligação permanente.

Uma Resposta a “ICEBERG”, Sombras no país do sol – Coluna de opinião de Joaquim Vitorino

  1. Carissimo e estimadissimo amigo Cavaleiro Vitorino
    tambem eu
    “…espero que o Conselho Superior de Magistratura, apure toda a verdade sobre o caso do banqueiro que acima referi; no mínimo, os portugueses merecem isso.”
    Verdadeiramente verdadeiro: os portugueses nao merecem isso!
    Como sempre os Seus artigos sao excecionais!
    Bravissimo e elogios de verdadeiro coraçao tambem ao nosso Amigo Director D. Paulino.
    D. Rosario

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *