Ângela Merkel Chanceler alemã: O Rosto do Poder feminino, por António Justo

O Governo de Coligação CDU/CSU/SPD tem lugar para optimismo

O governo da coligação está de pé e traz a cesta básica (o cabaz dos bens necessários) com prendas para todos. Ângela Merkel, a “mãezinha”, como a chamam (uns com afecto, outros com desdém), é chanceler pela terceira vez consecutiva.

Para não perder tanto a influência do seu partido, aumentou os cargos governamentais e assim satisfez os desejos do SPD e CSU. Deste modo assegura indirectamente o poder governativo que, em muitas iniciativas legislativas, precisará da aprovação do Bundesrat (Conselho Federal) onde o SPD tem a maioria. Este governo soube também secundar-se de grandes especialistas independentes que aconselham os vários ministérios.

A Chanceler quer uma Europa reformada, forte e sem medo ao lado da China da Índia e do Brasil. Quer que os asiáticos não admirem a Europa só pelas suas igrejas mas sobretudo pelas suas inovações; não nos quer ver “morrer como museus”, citam-na os jornais!

Membros do Governo

Ângela Merkel (CDU) é a antiga e nova chanceler; Sigmar Gabriel (SPD), é o Vice-Chanceler e Ministro da Economia e da Energia; Frank-Walter Steinmeyer (SPD), Ministro dos Negócios Estrangeiros; Wolfgang Schäuble (CDU), Ministro das finanças; Thomas de Maizière (CDU), Ministro do Interior; Úrsula von der Leyen (CDU), Ministra da Defesa; Haiko Maas (SPD), Ministro da Justiça e dos Consumidores; Andrea Nahles (SPD), Ministra do Trabalho e Assuntos Sociais; Hermann Gröhe (CDU). Ministro da Saúde; Manuela Schwesig (SPD), Ministra da Família; Joana Wanka (CDU), Ministra da Educação e Pesquisa; Alexander Dobrindt (CSU), Ministro dos Transportes e da Infraestrutura Digital; Barbara Hendricks (SPD), Ministra do Ambiente e Habitação; Gerd Müller (CSU), Ministro do Desenvolvimento; Peter Altmaier (CDU) Ministro do Kanzleramt; Aydan Özoguz (SPD), Ministra de Estado para Migração, Refugiados e Integração; Monika Grütters (CDU), Ministra de Estado da Cultura e dos Média; Hans-Peter Friedrich (CSU), Ministro da Alimentação e Agricultura.

A grande surpresa foi a nomeação de Úrsula von der Leyen para Ministra da Defesa, para chefe de uma instituição com 255.000 soldados e civis. A este propósito, o jornal HNA cita vice-presidente da CDU na vontade de reformas com as palavras: ”Talvez se vá tornando tempo de um homem se tornar Ministro da Família e da Mulher”. Talvez os cristãos democratas queiram introduzir um novo estilo de comandar e obedecer! Von der Leyen, mulher corajosa de 55 anos, promete ir longe; Merkel coloca-a num cargo difícil mas o seu exemplo pode ajudá-la!

Wolfgang Schäuble é o tesoureiro e homem forte da nação; a política europeia fica nas suas mãos e nas mãos de Merkel.

Frank-Walter Steinmeyer não assume comulativamente o cargo de vice-chanceler que tradicionalmente pertencia ao MNE. Muitos esperam dele que a política exterior saia da sombra dos USA e da Grã-Bretanha; isto seria por outro lado incómodo porque a Alemanha teria de abandonar a política da discrição tendo de se comprometer mais na “estabilização” da periferia o que fatalmente levaria a investir mais em armas de intervenção.

O Rosto do poder feminino

O acordo de coligação também é fruto do poder feminino discreto na procura de um denominador comum, que deixa a filharada pular e saltar mas só na hora do recreio. Ângela é mulher natural que se não deixou dominar pela afectação masculina do poder. Depois desta legislatura talvez seja a mulher mais propícia para governar os destinos da Europa como presidente da União Europeia.

A sua capacidade feminina fez dela a mulher mais poderosa do mundo num Mileu dos homens. O poder já não tem género e aqui revela-se feminino, pelo menos no seu modo de ser. O poder feminino é imperceptível e discreto. A chanceler apresenta-se reservada e respeitadora; até na propaganda eleitoral estava mais interessada em destacar a semelhança do que a diferença; preocupava-se em mencionar os argumentos e contra-argumentos de cada matéria de interesse; nunca se perdeu em rectóricas, o que era próprio dos concorrentes masculinos. Assim nunca tem a perder penas de auto-apresentação. A base do seu poder está na defesa da Alemanha como povo, no respeito dos parceiros da coligação e no partido CDU que, discretamente, vai mudando e deste modo tornando os outros partidos cada vez mais compatíveis. Rodeia-se de mulheres e homens em quem confia; por isso mesmo todos a temem e respeitam. Tornou-se numa moderadora indispensável para a nação. Para ela o governar é um trabalho normal. A filha de um pastor e esposa de um professor universitário não sofre do desejo de dominância nem de aparecer; o seu poder é temido porque natural e discreto. Domina como a mãe consciente de ter filhos também gabirus mas ciente que todos são seus. Na vitória mostra-se soberana e feminina; a sua modéstia não lhe permite alardes de senhora triunfal. Merkel conseguiu 462 votos dos 621 votos válidos o que corresponde a 74,39 dos votos. Esta coligação tem poder para apostar no bem do povo. No parlamento tem uma oposição de 20% dos deputados. A única consolação que esta teve na eleição da Chanceler foi verificar que 39 deputados da coligação se abstiveram na votação.

Toda a nação segue os passos do governo. O povo odeia políticos que não se preocupem com o bem-comum. Como a chanceler não fez promessas tem um certo âmbito de acção nesse sentido. A chanceler já definiu a grande coligação como a “coligação das grandes tarefas”. Os rebuçados já os distribuíu ao parceiro SPD no pacto da coligação. Resta desejar que este governo continue o tempo das vacas gordas para poder incrementar a família, as reformas e dar solução ao buraco demográfico e dar continuidade à obra do século que é a transição energética. Então talvez reste algo para a EU. Esta mulher que tem sido uma bênção para o bem-estar do povo alemão talvez se possa tornar numa bênção para o bem-estar da Europa.

* António da Cunha Duarte Justo, Colunista dos Jornais de Oleiros e Jornal de Vila de Rei, Alemanha

António Justo

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *