Presidente da Câmara de Oleiros avança com novas soluções para a saúde no concelho

ÚLTIMA HORA

Perante o importante problema surgido com o SAP’s no Distrito, Fernando Jorge, Presidente da Câmara de Oleiros, mesmo ao Domingo aceitou falar ao Jonal de Oleiros e tranquiliza a população com novas e mais evoluídas soluções.

• Novos e mais importantes meios ao serviço da população em Oleiros
• População dispersa vai ter apoio significativo
• Meios electrónicos de emergência ligarão as pessoas ao INEM

JOleiros (JO): Presidente, as recentes questões suscitadas com a saúde, nomeadamente o encerramento nocturno dos SAP’s, surpreenderam-no?

Fernando Jorge (FJ): Não. Como sabe em alguns concelhos do Distrito há muito que os SAP já fecharam de noite, caso de Proença ou Penamacor, por exemplo. No caso de Oleiros atendíamos um doente em média de quatro em quatro dias, e se fosse uma verdadeira urgência enviava-se para Castelo Branco. Na verdade o que existia era uma falsa urgência. Com custos elevadíssimos e diria mesmo com prejuízos para a população. E digo porquê, pois tratando-se duma verdadeira urgência, o tempo perdido em levar o doente para o SAP de Oleiros ou levá-lo logo para o Hospital de C. Branco ou de Coimbra podia ser o tempo entre a vida ou a morte. Se falar como Político diria que sou contra o encerramento, mas se falar como Médico ou Gestor direi que o encerramento nocturno não só é uma medida correcta como muito vantajosa para a população.

JO: De acordo, mas importa tranquilizar as populações…
FJ: Sem dúvida. Tem sido uma preocupação em Oleiros e em cada Câmara. Nas reuniões da Comunidade Intermunicipal, procuramos ajustar as soluções com equidade. O que posso dizer em consciência é que a população do Concelho de Oleiros fica muito melhor servida na área da Saúde. Conseguimos muita coisa.

JO: Concretamente, o que muda com o encerramento nocturno dos SAP?
FJ: O que muda desde logo é a maior celeridade na chegada ao hospital nos casos graves, evitando-se a perda de tempo na ida aos SAP. Conversámos com o Responsável da Proteção Civil do Distrito, com o Presidente da Direção e o Comandante dos Bombeiros de Oleiros e todos eles também acham que a solução encontrada é a melhor e que os doentes ficam mais protegidos. Vamos trabalhar conjuntamente para termos em Oleiros um Posto de Emergência Médica. Além disso os meios serão reforçados e contamos com o apoio da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco (ULSCB) para que o INEM coloque uma segunda ambulância que ficará no Orvalho para apoio às freguesias de Cambas, Orvalho, Sarnadas de S. Simão e parte do Estreito /Vilar do Barroco. Em Oleiros temos uma Corporação de Bombeiros de excelência, muitos já com formação em situações de gravidade, mas vamos dar mais formação e em conjunto com a Direcção dos Bombeiros e a Proteção Civil asseguraremos uma Saúde melhor para as nossas gentes.

JO: E outros meios essenciais para operacionalizar o processo?
FJ: A Câmara de Oleiros ( CMO) vai disponibilizar uma carrinha e respectivo motorista e a ULSCB disponibiliza um enfermeiro a tempo completo para trabalho vário junto da comunidade de Oleiros. O itinerário é da nossa responsabilidade e o enfermeiro apoiará as populações, monitoriza a tensão arterial, a diabetes, preparação de medicação e apoio especial a doentes provenientes do hospital e que aguardam colocação em unidades de cuidados continuados, entre outras coisas. O Hospital de Oleiros será equipado com novos aparelhos, que permitem ultrapassar situações duvidosas, quer para doenças cardíacas ou outras como diabetes por exemplo.

JO: A cooperação com entidades intervenientes parece-me crucial…
FJ: Sim, sem dúvida, por isso a ULSCB possibilitará formação aos bombeiros como disse há pouco na área de suporte básico de vida. Mas também a colocação de equipamento informático permitindo a ligação à Consulta Externa do Hospital de Castelo Branco e outro que permite fazer tele-consultas evitando muitas deslocações e consultas de especialidade mais céleres. Entre outras acções previstas.

JO: Ter a situação na região sob controlo e conhecida é essencial…
FJ: Por isso a ULSCB vai proceder a rastreios vários para toda a população do Concelho, evitando cegueiras e detectando doenças precocemente evitando mortes prematuras. Por outro lado a CMO vai adquirir “pulseiras electrónicas de emergência” ( SOS) para as populações isoladas, ficando ligadas ao Posto de Emergência Médica junto do INEM, meios que consideramos decisivos e tranquilizadores e que temos acordadas com a Direção e Comando dos Bombeiros.

JO: Visitámos o Hospital e verificamos que o 1º andar continua por utilizar…
FJ: É verdade, mas, como sabe, o hospital não é da Câmara. Pedimos já autorização que foi aceite para criar um novo polo de apoio em cooperação com uma entidade social especializada. A Câmara irá suportar todos os custos com camas e equipamentos indispensáveis, e vamos aí criar um Serviço que muito beneficiará os Oleirenses.

JO: As consultas de especialidade são algo que nos preocupa…
FJ: Ainda bem que fala dessa matéria. Desde já quero dizer-Lhe que a Unidade de Saúde de Oleiros passa a funcionar como um polo de consulta externa da ULSCB. Isso muda tudo. Desde logo, os médicos especialistas trabalham no seu horário normal em Oleiros, em vez de realizar as consultas na consulta externa do Hospital Amato Lusitano. A Câmara suportará apenas os custos de transporte de médicos. No caso das consultas no Estreito, os custos de transporte são suportados em partes iguais pela Câmara e pela ULSCB.

JO: Sente-se confortável como médico com as soluções encontradas?
FJ:  Sem dúvida. Como médico  considero que as alternativas encontradas para o fecho nocturno do SAP, melhoram em muito as  condições na área da saúde neste Concelho. Como disse os casos urgentes e graves terão uma resposta apoiada, muito mais rápida, ampliando-se a qualidade de vida e capacidade para os salvar. E deixe-me vincar que o que estava em causa era 1 atendimento de quatro em quatro dias, que poderá socorrer-se na Sertã que dista cerca de 15 a 20 minutos. Proporei à vereação que estas deslocações entre Oleiros e Sertã sejam suportadas pela Câmara de Oleiros que deverá fazer um protocolo com os taxistas da nossa praça.

JO: A Câmara está a fazer uim esforço financeiro significativo…
FJ: É verdade. Mas o dinheiro não é nosso. Ele serve para resolver estes problemas. Gerir o melhor possível, ampliando a qualidade de vida e tornando-nos atractivos para quem nos visita ou para quem deseje fixar-se no concelho, esse é o nosso trabalho. Estamos a incentivá-lo e já há resultados.

Como comentário, salientamos a convicção do Presidente da Câmara de Oleiros muito motivado para a melhoria de condições no Concelho, salientando algo que já era notado e referido, – a aposta no trabalho conjunto na Comunidade Intermunicipal – que Fernando Jorge considera enriquecedor e propicia uma visão globalizante. Prometemos continuar a seguir atentamente o que se faz em Oleiros e na região.

Fernando Jorge

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *