Posse de João Paulo Catarino, momento alto em Poença-a-Nova

João Paulo Catarino apela à união dos autarcas na defesa da região durante tomada de posse

João Paulo Catarino

Pela defesa intransigente da região

O presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova apelou à união dos autarcas na defesa da região. João Paulo Catarino disse que o governo se prepara para desprezar ainda mais o Interior, com o encerramento dos serviços de finanças.

Carlos Castela

João Paulo Catarino tomou posse como presidente da câmara Municipal de Proença-a-Nova, na passada quinta-feira, numa cerimónia que decorreu no pavilhão multiusos dos Paços do Concelho.

Depois de agradecer aos autarcas que cessam funções pelo trabalho que desenvolveram em conjunto e de desejar votos de felicidades aos novos autarcas eleitos, João Paulo Catarino deixou desde logo a sua total disponibilidade para continuar a trabalhar em conjunto com todos na “defesa intransigente” da região.

E, bem precisamos de estar unidos, pois este governo prepara-se para desprezar ainda mais o Interior, como é agora o caso do encerramento dos serviços de finanças”, recordou o autarca.

O presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova deixou também uma mensagem, nomeadamente para aqueles que “tanto mal dizem dos políticos e da política”, sublinhando que se “alguns o fazem pelos péssimos exemplos que temos tido e temos a nível nacional, nada nos garante que alguns o não façam para afastar os capazes na expetativa de que sobrem alguns lugares para eles e para os seus”.

Neste âmbito, disse que também na política é importante “separarmos o trigo do joio” e acrescentou que não se conhece nenhum modelo melhor que a democracia para nos governar.

Podemos e devemos criticá-la, mas a única forma de a mudar é por dentro, criticando-a de forma construtiva e exigindo aos partidos que a aperfeiçoem, aproximando os eleitos dos eleitores, como acontece no poder local”, disse.

O autarca referiu também que a governação que lhes é exigida nos próximos quatro anos “é muito mais exigente do que a dos últimos tempos” e acrescentou que para manter todas as competências e todos os serviços com os níveis de qualidade a que os proencenses estão habituados e manter todas as infraestruturas criadas nas últimas décadas, com um orçamento igual ao de há 10 anos atrás, “porque é aquele que nos espera, exige-nos muito mais rigor e um combate enorme ao supérfluo para que não falte o essencial”.

Por outro lado, recordou que a redução das transferências de verbas do estado para as autarquias, “significa para alguns, ter de aumentar as taxas e os impostos camarários. Para nós significa sermos muito mais criteriosos na despesa”.

João Paulo Catarino não tem dúvidas em dizer que só será possível manter os mesmos serviços com a mesa ou melhor qualidade e continuar o processo de desenvolvimento do concelho de Proença-a-Nova, “se conseguirmos formar com os colaboradores e o executivo camarário uma equipa una, coesa e altamente motivada”.  

Contudo, fez questão de sublinhar que apesar da diminuição de recursos financeiros, quer manter “a oferta que temos, implementar o programa eleitoral que nos propusemos e que vamos cumprir, e simultaneamente reduzir impostos aos proencenses como já fizemos com o IMI e para o próximo ano vamos fazer com as licenças e taxas para quem quiser recuperar casas antigas, é sem dúvida um desafio à altura dos seus protagonistas e o melhor agradecimento que vos podemos dar pela enorme confiança que depositaram em mim e em todos os que me acompanham

* Com  Carlos Castela e José Lagiosa

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Proença-a-Nova. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *