A grande porta atlântica, por Joaquim Vitorino

O descalabro da economia portuguesa tem na sua génese, os grupos oligárquicos, dentro dos dois maiores partidos políticos, do arco da governação; que dominaram os destinos de Portugal, nos últimos anos. Recentemente os portugueses sentiram, essa pressão sobre António José Seguro e Passos Coelho, quando da tentativa de um acordo.

Se o Presidente da República, tivesse optado por um governo de sua iniciativa, teria uma obstrução cerrada por parte destes grupos, em defesa dos seus interesses; provavelmente teve este fator em linha de conta. Os portugueses estão a empobrecer, e o nosso país está a regredir a olhos vistos, estamos a aproximar-nos da linha do subdesenvolvimento; não nos conforta termos entrado na União europeia com as mãos vazias, porque vamos ter que sair com muito menos, e ainda temos que juntar, o peso da dívida.

A economia paralela não para crescer; é uma consequência direta do desemprego, mas não é a única causa. Efetivamente, vamos assistir a uma rápida quebra na qualidade de vida, que os portugueses adquiriram nos últimos anos.

O corte nas reformas, e os milhares de funcionários públicos a serem compelidos a aceitar rescisões, porque quanto mais tarde o fizerem, piores serão as condições “em cima da mesa”, coloca a estes trabalhadores, um quadro negro na sua frente; que é a dificuldade que terão nos próximos 20 anos, em conseguirem trabalho.

Mas a situação mais dramática, está reservada para aqueles, que optarem por receber indemnizações, ou serem forçados a ela; os familiares brevemente, vão encontrar-se também na situação de desempregados; sem quaisquer ajudas, depressa obriga aos primeiros, por questão de solidariedade familiar, a repartir com eles o provento da “VENDA” do seu posto de trabalho; em alguns casos sem lhes terem sido, apresentadas alternativas; os valores que vão receber pouco vão durar, obrigando-os a procurar uma nova ocupação, que em alguns casos serão, em mercado de trabalho clandestino; pago também por quem exerce há muito, este tipo de economia.

Como se não fosse o suficiente, dezenas de milhares de funcionários públicos, serão colocados em regime de mobilidade, com cortes brutais nos seus rendimentos, que coloca a sua subsistência, e dos seus familiares em “risco” de pobreza, quase extrema.

Este governo está a abrir, o maior “fosso” assimétrico de toda a Europa. A pobreza quando esta é forçada, arrasta de imediato muitos fatores negativos, onde se inclui grande perda de valores, que são subjacentes a este drama, que nos aparece quase do nada, sem que para tal, a nossa população tenha sido minimamente prevenida; tudo para dar cumprimento a compromissos feitos, sem cálculos de risco.

Independentemente das razões que pensem ser as melhores, existe uma que não lhes assiste; que é colocar a maioria dos portugueses de um momento para o outro, nos mais pobres e endividados de toda a Europa.

A seguir vem o atraso a todos os níveis, é só esperar para ver. Os governantes que assumirem estas medidas, vão ter um enorme peso no futuro, tanto nas suas consciências, como nas responsabilidades políticas subjacentes. O nosso país, encontra-se numa situação geográfica privilegiada, tem que tirar partido dela, como já o fez no passado.

Sines

Portugal é a Grande Porta Atlântica

que nos pode trazer grandes vantagens, que de momento seriam mais que os riscos expostos, se o país fosse um paraíso fiscal “Offshore”.

Sines é um exemplo; o maior e mais bem posicionado porto Atlântico de águas profundas.

Nenhum outro país europeu, goza deste privilégio; como no passado, Portugal pela posição geográfica, tem todas as condições, para ser um grande polo de atividade económica europeia.

Portugal é um país há muito desaproveitado, a nossa situação não poderá ser resolvida, de costas voltadas para Espanha, que tem um grande peso, no nosso desenvolvimento económico.

Os portugueses já entenderam, que a solução dos seus problemas não é em Berlim, que esmaga Portugal com austeridade, e falta de solidariedade.

Temos que enfrentar a crise a sós; e não há tempo a perder; não contem com os outros. Só um país sai incólume, deste vendaval económico e financeiro; é a Alemanha.

Ao contrário do que muitos pensam, o custo do segundo conflito Mundial, não está a ser pago por eles, mas sim pelos parceiros do Sul; com taxas de juros impostas por Berlim, 7 vezes mais elevadas do que as pagas pela Alemanha. Nenhuma economia consegue disparar, sujeita a estas condições, que nos arrasta para uma subserviência contínua. Angela Merkel vai continuar, a mandar na Europa por mais quatro anos; estes serão mais que suficientes, para o golpe de misericórdia no nosso país; não podemos aceitar esta fatalidade.

Os portugueses têm nos últimos anos, deixado para os outros, a tarefa que nos cabia a nós; é tempo de aprendermos a lição.

Neste período de Eleições, a “algazarra” política a que o país fica sujeito, não desmente um facto real, que abaixo em Post Scriptum, referencio.

*Joaquim Vitorino, Colunista do Jornal de Oleiros, Representante no Cadaval

Vermelha – Cadaval    

PS: Ao futuro das nossas crianças; presentemente as mais pobres e infelizes da Europa, o que constitui uma vergonhosa afronta, para todos nós.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *