Aljubarrota, 628 anos depois…que independência?

                                     ALJUBARROTA, 628 ANOS DEPOIS… QUE INDEPENDÊNCIA?

Batalha de Aljubarrota

Não são raras as vezes, que só com o regresso ao passado, nos permite analisar o presente e perspetivar o futuro; acontece nas nossas vidas, e sobretudo no nosso país.

A Europa sofreu nos últimos 1000 anos metamorfoses, que deram lugar a muitas Nações, enquanto outras, simplesmente desapareceram; Portugal é o único país na Europa, com fronteiras definidas desde a sua fundação. Os pequenos países querem ser sempre independentes dos grandes, quando os separa algumas diferenças; a independência de um país, tem que ser complementada com qualidade de vida, e liberdade de expressão.

Recuamos ao longínquo dia 14 de Agosto de 1385, a Batalha de Aljubarrota que os portugueses venceram, com a ajuda de 300 arqueiros ingleses, que não tiveram uma única baixa. Castela terá perdido 6 vezes mais soldados que Portugal, que afirmou naquele dia, o direito incontestável à independência. Mas a grande vitória naquele dia pertenceu à Inglaterra, que além de não perderem na batalha um único homem; os ingleses tinham acabado de dividir a grande Ibéria que constituía Portugal e Espanha, para poderem Reinar no velho Continente durante centenas de anos; com Portugal “dono” de uma faixa marítima de mais de 1000 quilómetros, a Espanha ficou entalada entre a França e Portugal, que desde então passou a ser um protetorado Inglês.

A fatura tem-nos sido apresentada ao longo dos 628 anos. A Portugal a partir desse dia, nunca foi permitido desviar-se do rumo traçado pelos ingleses.

Nesse fatídico dia para os espanhóis, mas também para nós constatamos hoje, Portugal nunca pode chegar a um entendimento com Espanha, porque colidia com a hegemonia e interesses dos Ingleses, que queriam controlar toda a costa Atlântica, o que não nos permitia quaisquer alianças com Espanha.

A prova chegou com o vergonhoso ultimato de 1890, cujas consequências ainda hoje nos afeta, não só teve duros reflexos na nossa economia, mas também na nossa dignidade como povo. A última tranche da dívida contraída aos ingleses, foi paga em 2011; para além dos milhares de soldados portugueses sem prévia preparação, que foram enviados à pressa, para morrer nas trincheiras da Flandres e Normandia, onde milhares perderam a vida; só em La Lys foram mais de 10.000 mortos num só dia, numa guerra em que Portugal, nada tinha a haver; foi apenas dar cumprimento a uma aliança militar imposta na sequência do ultimato, e que os ingleses arrastaram-nos para ela; a prova de que esta aliança apenas serviu unicamente os ingleses, veio a confirmar-se quando o Presidente Indiano Pandita Nehru, mandou em 1959, invadir Goa Damão e Diu; a que, a Inglaterra não levantou um único dedo, em defesa do seu (velho aliado). Em suma, a verdadeira independência de uma Nação, só pode ser entendida quando não é subjugada aos interesses de outra. Resumindo, tanto no passado como recentemente, Portugal nunca teve decisores á altura, de nos colocar a salvo dos que se dizem ser nossos amigos; foram os ingleses no passado, e agora são alguns dos “parceiros” europeus, que nos tem fragilizado ao ponto, de mais uma vez estarmos na eminência, de voltarmos a perder a independência.

Foi a nossa aproximação à Alemanha e França, que teve em parte, na origem do ultimato de 11 de Janeiro de 1890; Lord Salisbury primeiro ministro de Inglaterra, sabia que Portugal não tinha outra saída, que não fosse recuar nas suas intenções, de ligar por terra o Atlântico ao Indico.

Por ironia neste momento, não é a Inglaterra mas sim a Alemanha, que nos está a vergar, não pelas armas mas pelo dinheiro, onde só nos deixam duas opções; ou a fome ou subserviência. Nestas condições a nossa independência, é uma metáfora para consumo interno.

* Joaquim Vitorino, Colunista do Jornal de Oleiros

Vermelha – Cadaval

PS: À Memória do meu Avô Paterno; nascido em Aljubarrota, no ano do ultimato de 1890.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *