EDITORIAL: Uma situação explosiva, Passos não se demite

EDITORIAL

O país vive momentos tormentosos.

Portugal

O Primeiro-Ministro não aceita a demissão de Paulo Portas e quer que o CDS-PP assuma as suas responsabilidades.

Várias possibilidades são agora equacionáveis:

* CDS-PP perde o Presidente e fica no governo;

* CDS-PP dá apoio parlamentar e o PSD segue isolado;

* Presidente convida outra personalidade do PSD e não aceita a situação de pântano;

* Presidente demite o governo e avança para um governo de iniciativa presidencial;

+ Presidente demite o  governo e convoca eleições antecipadas em simultâneo com as autárquicas;

Todos os cenários em aberto, num país a afundar socialmente, na bolsa de valores, nos juros da dívida.

Seria necessário estudar de onde veio esta crise. Ms não há tempo.

Para nós, a grande responsabilidade está no próprio Presidente que deixou de ser Presidente de todos os portugueses e regressou ao Seu Partido, permitindo este pântano incrível.

Falta apenas um elemento que pode ser decisivo: Que pensa o povo português de tudo isto?

Director

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Editorial. ligação permanente.

2 Respostas a EDITORIAL: Uma situação explosiva, Passos não se demite

  1. António Graca diz:

    A situaçao est´a a colocar Seguro ˋa beira de um ataque de nervos e ansioso para saltar para o poleiro, o que seria o golpe final no futuro do pa´is

  2. Joaquim Vitorino diz:

    Caro Diretor; é essa a que estão que acima menciona, o povo português não pensa, nunca pensou, nem vai pensar no caos em que vamos cair; esperem pela abertura dos mercados amanhã?, a corrida aos bancos não está colocada de parte; é só alguém dar o grito de alarme; o dinheiro dos “grandes” já está ao fresco. Existem 9.000 milhões de reserva, que seria para a eventual capitalização da banca, que o governo lançará mão em caso de urgência: estamos ao nível grego, mas vamos piorar. Quanto a António Seguro não fará melhor, são ambos amadores políticos; não é o que precisamos neste momento. Ambição e apetência pela cadeira de São Bento não lhe falta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *