Mandela, a Mensagem, por Joaquim Vitorino

MANDELA, a MENSAGEM

Nelson Mandela foi sem qualquer exagero, a Grande Figura do século XX; a sua mensagem de tolerância e solidariedade entre povos de diferentes raças e Nações, são um exemplo que marcam provavelmente “milhares de anos” a nossa civilização. Mandela que muitos acreditam ter, uma missão para cumprir, é um Homem dotado de rara inteligência e sensibilidade Humana, e com grande visão do futuro, não só para o seu país, como num sentido muito mais abrangente e global; Mandela derrubou muros e preconceitos, em países que se diziam exemplos de democracia, em parte camuflada por assimetrias a todos os níveis, desde o direito ao trabalho e ao ensino, até à simples manifestação de opinião, era travada por manifesta prepotência de alguns, em nome de uma inaceitável superioridade da cor. Portugal manteve durante centenas de anos, a mais extensa fronteira com aquele grande país; uma situação incómoda, porque os portugueses foram o primeiro povo a abolir a escravatura; e o Apartheid não passava de uma escravatura ainda mais grave, porque praticada na segunda metade do Século passado. Não tenho dúvida que, se não fosse essa Figura de Vulto “Nelson Mandela, a grande Nação Americana, teria que esperar mais umas décadas, para ver na Casa Branca um Presidente com origem Euro-Africana. Mandela foi um prisioneiro de longa duração, que conquistou o respeito e admiração dos seus carcereiros; não foi fácil para ele, ver os seus compatriotas num sofrimento indiscritível; Mandela era diariamente informado de tudo o que se passava, no exterior da sua cela; era urgente acabar com aquele terror o mais depressa possível; a grande preocupação deste Grande Filantropo e Humanista, era não poder por motivos de saúde, ter tempo de levar a sua missão até ao fim; libertar o seu país e o Mundo, do repugnante tratamento que em nome de diferenças de cor e opinião; alguns vinham há muito a infligir aos outros. Mandela nunca perdeu a fé e a esperança, de que o seu dia estava próximo; eu diria que ele Rezou e esperou por uma ajuda DIVINA; Ela chegou com a subida ao poder na África do Sul de um Homem, que também foi Presidente da grande Nação que é a Africa do Sul; seria uma grande injustiça, se eu não o mencionasse neste meu artigo; Frederik De Klerk foi o Homem que Mandela aguardava com ansiedade; era ele a chave para a transição; eles mudaram o mundo para melhor e para sempre. Para Nelson Mandela, o custo que pagou nas masmorras do Apartheid durante 27 anos de detenção foi elevadíssimo não só para ele, como para a sua família; o Prémio Nobel com que ambos foram contemplados, foi apenas uma gota de água, de reconhecimento pelo grande contributo que generosamente estes dois homens, deram à humanidade. Nelson Mandela é um homem de grande Humildade, a quem o poder nunca lhe subiu à cabeça; na eminência de alguma turbulência no seu país, cedeu imediatamente o poder político; ficando ele a constituir uma reserva moral inquestionável naquele grande país, até ao fim dos seus dias, que infelizmente estão para breve; é este o fim de todos nós.

"Madiba"

Só que existem homens que marcam positivamente a diferença nesta curta passagem, que não obstante todos pensarmos o contrário, muitas das nossas vidas, são de discutível utilidade; todos temos um caminho a percorrer, mas é o legado que se deixa para o futuro dos outros, que conta para a posteridade e que nos diferencia uns dos outros, é que a esmagadora maioria passa; enquanto os que numa rara exceção, como Nelson Mandela, são os que ficam.

* Joaquim Vitorino – Vermelha – Cadaval, Colaborador do Jornal de Oleiros

PS: A Nelson Mandela, pelo seu invulgar exemplo de sacrifício, e também humildade e tolerância demostradas para com todos aqueles, que o mantiveram em cativeiro longos anos; e que ele em nome da estabilidade do seu país, e a bem do povo Sul Africano, veio a perdoar.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *