Chandra, o “Big Brother” do Cosmos, por Joaquim Vitorino

CHANDRA, O “BIG BROTHER” DO COSMOS.

Cosmos

Lançado a 23 de Julho de 1999, pelo Vai Vem espacial Columbia, o Chandra é um dos grandes Observatórios espaciais, que há mais de duas décadas, está a revolucionar o campo da cosmologia e astrofísica, e a contribuir para um avanço no conhecimento do Espaço Intergaláctico. Chandra tem três particularidades a referenciar; a missão que o colocou no espaço, foi a primeira a ser comandada por uma mulher, a Comandante Eileen Collins, e também é o mais afastado telescópio da Terra, duzentas vezes mais que o Hubble; mais concretamente, orbita a um terço da distância entre nós e a Lua, sendo também o maior satélite lançado. O Chandra tem a capacidade, através dos seus Raios X, de observar e acompanhar uma partícula até ao último milésimo de segundo, a cair num buraco negro; Algumas das observações foram feitas, a partir de Quasars cuja luz viajou milhares de milhões de anos a 300.000 quilómetros por segundo. O nome do Chandra é uma homenagem a um físico Indiano.

Space Craft

Este Big Brother do espaço, vasculha minuciosamente tudo o que se passa numa vasta zona com incrível precisão; o que vê é um regresso ao passado, de milhares de milhões de anos de acontecimentos cósmicos, que estamos a todo o momento a receber. Recentemente, a 3 de abril de 2013, o Chandra enviou para a terra uma Imagem, que não querendo entrar em campo especulativo, deixou-me surpreendido. O Hubble já a tinha transmitido, mas não com a nitidez do Chandra; eu que estou sempre a acompanhar as últimas novidades, e em contacto frequente com os Sites dos Grandes Observatórios e da NASA, a Imagem que vou publicar deixou-me apreensivo. Situado na pequena nuvem de Magalhães, existe um amplo aglomerado de estrelas descoberto em 1826, pelo astrónomo James Dunlop é a NGC 602, visível na direção da constelação de Hydrus. Esta nebulosa encontra-se a cerca de 100 mil anos luz de distância da nossa Galáxia Via Láctea; que também tem a mesma distância em diâmetro; mas como o Planeta Terra está posicionado numa espiral, levaríamos 180 mil anos luz a lá chegar; e para termos uma ideia da imensidão do cosmos, a nuvem de Magalhães, onde se encontra a NGC 602, é a nossa vizinha mais próxima. No passado os astrónomos tinham grande dificuldade em observar as Galáxias não espirais, devido à poeira galáctica, que presentemente foi ultrapassada com a colocação de telescópios em orbita. A Imagem que vos deixo, viajou até nós a 300.000 quilómetros por segundo, durante 180.000 anos; pode ter a origem numa Supernova, mas também existe a possibilidade de ser uma mensagem, que aceite como tal, retiraria o homem do isolamento terrestre, para o colocar no Centro do Universo; a Imagem que não foi trabalhada, é a figura nítida de um Bebé, que para os humanos Simboliza o Berço da Humanidade, e da nossa civilização. É mais que provável, que a vida tenha eclodido, há milhares de milhões de anos, noutros locais do Universo, ou algures na nossa Galáxia, e que tenha evoluído para escalões de inteligência, que nem podemos imaginar; provavelmente civilizações, que atingiram um estado civilizacional quase perfeito, que os terá conduzido ao nível da espiritualidade; não terei dúvida, de que terão conhecimento da nossa existência, mas não têm de todo interesse no nosso contacto, porque ainda não estamos preparados para os receber; não obstante o homem não ser um animal qualquer, no nosso habitat só os humanos pensam o cosmos, mas não conseguimos eliminar muitos dos atuais preconceitos, e também o instinto que importámos das cavernas, que nos vai levar à destruição, e consequentemente à extinção da nossa espécie. Com este meu artigo, junto a Imagem que o Chandra nos enviou, e que deixo ao livre critério e análise de cada um de nós; independentemente do pensamento filosófico muitas vezes controverso, que ao longo dos tempos, o homem tem atribuído a si próprio, existe uma questão, em que todos devemos refletir; afinal quem somos nós humanos? Numa escala cósmica, o Chandra mostra-nos, o infinitamente pequenos que somos.

* Joaquim Vitorino – Astrónomo amador , Correspondente do Jornal de Oleiros

Vermelha – Cadaval 

 

 

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Ciência, Destaques com as tags , . ligação permanente.

Uma Resposta a Chandra, o “Big Brother” do Cosmos, por Joaquim Vitorino

  1. Carlos Fernandes diz:

    Bem haja ilustre amigo mais um excelente artigo !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *