Pobrezinho, por José Lagiosa

DESASSOSSEGO

Pobrezinho

Segundo o portal ptjornal.com, a declaração de rendimentos de Cavaco Silva e de Maria Cavaco Silva, em 2010, entregue no Tribunal Constitucional, denuncia ganhos superiores a 999 mil euros, entre trabalho dependente, pensões, ajudas de custo, aplicações em bolsa, depósitos à ordem e a prazo, planos poupança reforma e ações. Conheça os rendimentos de Cavaco Silva.

Esta divulgação é no mínimo surpreendente para uma pessoa que há bem poucos meses comentava para as camaras de televisão que as suas reformas com os cortes anunciados não chegavam para cobrir o seu orçamento familiar. Na altura, os portugueses, manifestaram o seu desacordo e estranheza por estas declarações, por inúmeros meios à sua disposição.

Também o autor destas palavras o fez, principalmente nas redes sociais. No entanto perante esta atual declaração de rendimentos do casal Cavaco Silva, referente ao ano de 2010, não pode deixar de transcrever aqui o comentário, que lhe pareceu mais oportuno e pertinente, no facebook em post colocado na notícia quer dá origem a esta opinião: Pobrezinho. E não lhe chega para as despesas. Devia ir viver durante um ano com os rendimentos da esmagadora maioria dos portugueses que ainda conseguem estar empregados. Devia era ter vergonha e demitir-se. Palhaços só no circo, obrigado!

Desde já declaro que esta afirmação é assumida, sem medos e com inteira responsabilidade.

Sempre assumi a legitimidade das eleições de Cavaco Silva, apesar de considerar que ele nunca foi o meu presidente!

Declaro desde já, aos senhores agentes do SIS que não tenho nenhum problema pelo facto de saber, desde já, que irei fazer parte dos relatórios de informações que irão produzir. Sempre fui defensor da Liberdade de Expressão, continuarei a ser contra tudo e contra todos, mesmo que isso implique chocar com os poderes pseudodemocráticos instalados. A Liberdade não tem preço e a luta por ela ainda menos!

José Lagiosa

 

 

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Destaques, Opinião. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *